segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

FILME: O JUÍZ

Filmes que mostram relações familiares conturbadas, geralmente emocionam a plateia que se identifica com os personagens. Quando o caso é entre o filho, o advogado Hank Palmer (Robert Downey Jr), e o pai, o juiz Joseph Palmer (Robert Duvall), a trama poderia ser o de menos. Sabemos que haverá reconciliação e lágrimas no final.

Mas “O Juiz” surpreende porque a narrativa é menos óbvia do que em outos filmes do gênero, já que as relações afetivas entre pai e filho são gélidas por motivos que não ficam claros desde o início. Vamos nos envolvendo aos poucos com as revelações surpreendentes e os “flash-backs”oportunos.

Hank Palmer é um advogado tão brilhante quanto arrogante, que só defende culpados endinheirados e não se acanha nem um pouco com isso:

“- Inocentes nunca tem dinheiro suficiente para me contratar”, diz com todas as letras para o promotor que o questiona, acrescentando que tem uma Ferrari na garagem e uma bonita esposa esperando por ele.

Bem, a Ferrari pode ser mas a mulher está pedindo o divórcio e a guarda da filha única do casal.

Quando ele recebe um telefonema em pleno tribunal e pede ao juiz um adiamento, o promotor pensa que ele está mentindo quando noticia que sua mãe morreu naquela manhã:

“- Aqui está a mensagem gravada” diz Palmer, passando o celular para o Juiz.

Parece que ele não mede esforços para mentir e forjar situações duvidosas, mas dessa vez é verdade. Ele vai ter que voltar para casa e enfrentar o que evita há 20 anos. Seu pai.

Robert Duvall, que já ganhou um Oscar em 1984 por “A Força do Carinho”, provávelmente será indicado novamente. Aos 83 anos, seu juiz é a melhor coisa do filme. Ele comove sem apelações.

Bons momentos passam-se também no tribunal da cidadezinha onde o Juiz, pai de Hank, viveu a vida toda e é um cidadão respeitado.

O filho vai ter que duelar com o promotor (Billy Bob Thorton, sempre ótimo), quando o pai é acusado de um crime. É em tribunais que o advogado Hank sente-se mais à vontade, mas mesmo assim, vai ser difícil atuar como faz em Chicago, porque o passado que vem à tona, o incomoda e mexe com sua carência afetiva, que ele esconde sempre através de uma auto-suficiência enganosa e defensiva.

Os irmãos de Hank, o mais velho (Vincent D’Onofrio) e o mais novo, mostram também seus ressentimentos com o irmão mais bem sucedido, enquanto eles ficaram para trás, vivendo uma vida modesta.

Vera Farmiga, boa atriz, faz a antiga namorada que Hank vai reencontrar. Algo bom em seu passado na cidadezinha natal.

“O Juiz”, um filme comercial com qualidades, brilha mais pelas atuações do que pela história baseada num livro de John Grisham. Mas não é enfadonho, apesar de sua longa duração.


Fonte: http://www.eleonorarosset.com.br/

Um comentário:

  1. Muito bom post. É uma boa história, ”O Juiz”: Robert Downey Jr. no papel pequeno ou mau roteiro porque com a sua esmagadora carisma aumenta tudo, quando ele foi escolhido para interpretar o Iron Man, além de relançar a sua carreira e emergir como o Phoenix o público mostrou o quão bom um jogador que ele é. Juiz em sua presença deve pagar a entrada, mas também os desempenhos de outros atores como Robert Duvall, Vera Farmiga, Billy Bob Thornton não ficam muito atrás. O filme é um drama familiar acima de tudo, torna-se um pouco lento e há uma cena que poderia ter salvo, como chuveiro, mas como é pontilhada com alguns toques de humor quase sempre manipulados por Robert Downey Jr. e Jeremy Strong faz o seu irmão está se tornando divertido.

    ResponderExcluir