segunda-feira, 20 de outubro de 2014

TERAPIA PSICANALÍTICA ATRAVÉS DO SMARTPHONE

Um aplicativo lançado em março nos Estados Unidos vem causando controvérsia entre usuários e especialistas. O Talkspace tem como proposta conectar pessoas que buscam atendimento terapêutico com profissionais renomados da psicanálise, segundo os criadores do app.

Utilizando-se do Wathsapp criptografado, a ferramenta permite que paciente e terapeuta conversem via mensagens instantâneas, o que elimina etapas do processo tradicional como a procura por um profissional, os encontros presenciais e o pagamento. Ou seja, basta baixar a ferramenta, apertar um botão e pronto. Começa a terapia.
Mas de acordo com especialistas é justamente esta aparente agilidade um dos maiores problemas de se aplicar a lógica mobile a este universo especifico. "A psicanálise pressupõe o encontro, com uma duração determinada, num tempo determinado e num local determinado onde se tenha tempo para parar, pensar, falar e refletir", explica Gustavo Veiga, psicanalista formado pela Universidade de São Paulo (USP).
O psicólogo analisa a nova plataforma como uma ferramenta superficial "O aplicativo pressupõe a construção de uma dependência típica do mundo atual, onde não se pode suportar qualquer problema ou dificuldade por mais de um minuto", critica Veiga. "Basta sacar o celular que terá a resposta para tudo. Eu acho esse pressuposto horrível, pois tira toda a força da pessoa, toda a capacidade de aprendizado que se pode ter com determinada experiência", completa.
Os criadores do app se defendem com a ideia da democratização do acesso ao tratamento "É uma loucura que ainda hoje pessoas não tenham acesso à terapia", defende Oren Frank, co-criador da plataforma. Pode ser que nos Estados Unidos, onde impera a cultura do 'aconselhamento' - que se enquadra mais no perfil de auto ajuda -, a ideia realmente funcione, mas no Brasil, só o fato do aplicativo se restringir ao sistema IOS já seria um imenso limitador, que quebra completamente o argumento da democratização da terapia.

Fonte: CatracaLivre

0 comentários:

Postar um comentário