sexta-feira, 12 de setembro de 2014

PRIMEIRA IMPRESSÃO É A QUE FICA?

Primeira impressão: apenas meio segundo é suficiente para formá-la

Pesquisa mostra que, com um "olá", pessoas já constroem opinião sobre a personalidade alheia

Quanto tempo se leva para formar uma primeira impressão de alguém? De acordo com um novo estudo, apenas meio segundo — ou um simples "olá" — já é suficiente para tirar conclusões sobre a personalidade de uma pessoa e julgar se ela lhe agrada. E, segundo a pesquisa, não é preciso necessariamente estar olhando para o outro para fazer esse tipo de julgamento.
Os autores do estudo, feito na Universidade de Glasgow, na Grã-Bretanha, chegaram a essas conclusões após pedir que 320 pessoas relatassem suas impressões após ouvir às gravações de diferentes indivíduos dizendo "olá". Os voluntários deveriam dizer o que acharam das vozes com base em dez critérios definidos pela pesquisa — entre eles, confiabilidade e entusiasmo.
Segundo os pesquisadores, a maioria das 64 gravações provocou as mesmas reações entre os participantes, e esse julgamento foi definido em apenas 300 a 500 milésimos de segundo. Uma das características mais levadas em consideração para os voluntários foi a confiança que a voz transmitia — para a maioria, homens que levantavam a voz pareciam mais confiáveis, por exemplo.
A equipe concluiu que o tom da voz de uma pessoa ao dizer "olá" é capaz de, imediatamente, formar a primeira impressão que alguém terá dela. Segundo os pesquisadores, isso pode ser um reflexo da história recente do ser humano, na qual se tornou cada vez mais importante para a sobrevivência identificar em que é possível confiar. O estudo completo foi publicado nesta semana no periódico Plos One.
"É surpreendente que discursos tão pequenos possam causar uma impressão tão definitiva sobre uma pessoa e, além disso, que essas impressões sejam as mesmas em diferentes ouvintes", diz Phil McAleer, pesquisador do Laboratório de Neurocognição da Voz da Universidade de Glasgow e coordenador do estudo. McAleer acredita que seu estudo poderá ajudar a aumentar a eficácia de sistemas de áudio educativos, além de elevar a compreensão sobre a interação humana.


Fonte: VEJA

0 comentários:

Postar um comentário