quarta-feira, 20 de agosto de 2014

ELE PODE SER "MACHÃO", INSENSÍVEL, AMAR DEMAIS E SOFRER POR AMOR

Machão e insensível, certo? Errado! Ele pode até ter aquela pinta de durão, do tipo que se esquiva de qualquer palavra amorosa, mas esse tipo de homem ama sim, e ama muito.
De acordo com a pesquisa que fiz com os homens que amam demais, entre 30 e 55 anos, eles são muito mais dependentes afetivamente que sexualmente. A partir daí achei importante discutir o tema.

Como a maioria dos homens é vista pela sociedade como compulsiva por sexo e não por amor, e como também só existem grupos de ajuda para mulheres, já estava mais do que na hora de falar sobre o assunto, não é mesmo?

Quem é o homem que amam demais?

Geralmente, ele vem de um contexto familiar destrutivo. O ponto crucial é o relacionamento simbiótico com a mãe (ou ela é muito próxima ou muito ausente), os pais normalmente são alcoólatras e, de algum modo, o homem que ama demais sofreu violência doméstica, tanto fisíca quanto verbal, então ele trasporta suas frustações para a vida e repete a história.

Quando realizei as entrevistas, desmembrei suas vidas, chegando até sua infância. Percebi que muitos deles repetem os padrões de comportamento de sua família, o que afeta bastante seus relacionamentos hoje.

Perfil do homem que ama demais 

- Na visão dele, ela é sempre a vítima. Tudo que acontece de errado no relacionamento ele se culpa;

- Ele quer tanto a aprovação dela que, mesmo sofrendo muito, abre mão de suas vontades para satisfazer as dela;

- Ele começa a viver em função da amada, vasculha tudo e corre um sério risco de estar caindo na cilada do ciúme excessivo;

- Ele tem autoestima muito baixa, por isso não se dá valor e deixa essa situação permanecer;

- Quem aconselha se torna um inimigo, é como se destruísse algo saudável. Na visão do homem que ama demais, o relacionamento dele é normal porque ele sempre vai viver na expectativa de que a situação melhore;

- Ele pode se considerar um homem que ama demais quando o amor for sinônimo de sofrimento;

- Porque ele a ama muito, não liga de ser humilhado e sempre justifica as atitudes de sua amada.

Esse último, o ser humilhado todo o tempo por ela, sofre do que chamo de “cegueira emocional”. É como se esse amor obsessivo estivesse mais do que claro, mas ele insiste em não querer ver. É muito triste quando você percebe o amor doentio. O casal não aproveita o melhor desse sentimento e corre grande risco de se separar.

Para se ter uma ideia, quando um ‘Hades’(homem que ama demais) se separa da amada ele tem os mesmos sintomas de uma pessoa que está em abstinência de cocaína: tremores, vômitos e até síndrome do pânico.
Os dozes passos dos dependentes anônimos 
A seguir, as Doze Promessas do CoDA (Co-Dependentes Anônimos), grupo que busca ajudar homens e mulheres a desenvolver um relacionamento saudável, que com certeza te ajudará bastante a se amar primeiro:

1- Reconheço que não estou só e que meus sentimentos de vazio e solidão vão desaparecer.

2- Não sou controlado por meus medos. Eu supero meus medos e ajo com coragem, integridade e dignidade.

3- Experimento uma nova liberdade.

4- Liberto-me da preocupação, da culpa e da lamentação quanto ao meu passado e ao presente. Eu me mantenho o suficientemente atento para não repetir.

5- Experimento um novo amor e uma nova aceitação por mim mesmo e pelos demais. Eu me sinto genuinamente merecedor de ser amado.

6- Aprendo a me ver igualmente aos demais. Em minhas novas e renovadas relações são baseadas na igualdade de ambas as partes.

7- Sou capaz de desenvolver e manter relações saudáveis e amorosas. A necessidade de controlar e manipular os outros desaparecerá na medida em que eu aprenda a confiar nas pessoas dignas de confiança.

8- Aprendo que é possível recuperar-me e converter-me numa pessoa mais amorosa, mais íntima e capaz de oferecer apoio apropriado. Eu tenho a escolha de comunicar-me com minha família de uma maneira segura para mim e respeitosa para eles.

9- Reconheço que eu sou uma criação única e preciosa.

10- Não dependo unicamente dos demais para poder me sentir valioso.

11- Tenho a confiança de que meu Poder Superior me guia. E venho a acreditar em minhas próprias capacidades.
12- Tendo experimentado um despertar espiritual, graças a estes Passos, procuramos levar esta mensagem para outros codependentes e praticar estes princípios em todos as nossas atividades.

Dica:

Identificou o amor excessivo?

Então procure um apoio profissional. O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC da FMUSP), por exemplo, oferece terapia para os dependentes de amor. Vale a pena!


Fonte: UOL

0 comentários:

Postar um comentário