quarta-feira, 30 de abril de 2014

DEPENDÊNCIA EM JOGOS É COMPARADA COM COCAÍNA

Lá dizia a sabedoria popular, que tudo o que é em excesso faz mal. É uma frase que podemos aplicar no
conjunto de elementos que nos rodeia. As altas tecnologias de informação e todos os meios tecnológicos em particular que temos hoje em dia à nossa disposição, são mais que suficientes para nos deixar entretidos. Os jogos além de instrumentos indispensáveis ao relaxar da nossa mente, podem ter consequências bastante viciantes para os mais permeáveis às novas tecnologias.

Parece que a adição a novas tecnologias está a preocupar o Reino Unido, já que os jogos estão a afectar psicologicamente a faixa etária mais jovem, repercutindo-se em comportamentos auto-destrutivos e violentos difíceis de controlar. Segundo um artigo publicado no Lancaster Evening Post, da autoria Steve Pope um terapeuta especialista na área de psicologia, descreve as causas e efeitos deste flagelo com algumas afirmações pouco convencionais:

“Dedicar duas horas a jogar tem um efeito de ressaca equivalente a inalar uma linha de cocaína. É a dependência que maior crescimento tem registado no país e está a afectar mentalmente, uma faixa etária jovem e a potenciar problemas físicos como a obesidade. A adição a jogos de computador pode ascender a um espiral de violência, já que ao terminarem de jogar títulos violentos os jovens podem confundir a realidade com fantasia”

O terapeuta dá alguns exemplos para explicar a sua tese:

“Já observei um rapaz de 14 anos que jogava durante 24 horas sem parar e que como tal não tinha comido e apresentava sinais de desidratação. Quando os pais se aperceberam, tentaram lhe retirar a sua consola de jogos, o adolescente tornou-se de tal forma agressivo que ameaçou saltar da janela da sua casa.

Já lidámos também com crianças que faltam regularmente à escola para jogar e outras que roubam dinheiro aos seus pais para comprar jogos”

As seguintes perguntas podem se colocar acerca desta temática:

Será que os tempos mudaram e a educação e os valores que os nossos pais nos transmitiram não estavam adequados a novas realidades e são facilmente deturpáveis, por alguns títulos mais violentos providenciados pelas novas tecnologias?

Ou os valores numa boa educação são de alguma forma intemporais, não sendo afectados por uma nova onda de entretenimento para adultos, que só afectam casos isolados de jovens com distúrbios?

Pessoalmente lembro-me de passar a jogar a tarde toda, clássicos como o Quake ou Doom (na altura em que tinha tempo) e não me incentivou a sair à rua e agredir ninguém ou mesmo roubar, por isso penso que deste ponto de vista o artigo é altamente exagerado em tornar isto um caso generalizado, cada caso será um caso.

Não somos todos iguais e na vida alguns de nós são mais permeáveis do que outros em tudo o que vêm na televisão, ouvem na rádio ou jogam na sua consola. Diferenças essas que marcam também a forma como cada um de nós, recebe toda a informação proveniente dos meios tecnológicos e as propaga aos que nos rodeiam.

Mas no essencial algumas das afirmações do artigo britânico dão que pensar. Estamos num mundo muito diferente em relação aquele que os nossos pais e avós viveram e a dependência tecnológica é cada vez mais uma das principais doenças do século 21 para a nossa população. Esta “droga” dos nossos tempos, pode levar a ressacas muito particulares, mas com a diferença do dano ter resultados psicológicos em alguns casos irreparáveis.


Fonte: Ciencia.com

0 comentários:

Postar um comentário