terça-feira, 17 de dezembro de 2013

PESSOAS QUE SE FAZEM DE VÍTIMAS

Por Katree Zuanazzi
 
 
Aposto que todo mundo já se deparou com uma pessoa que se coloca como a injustiçada do mundo, se ainda não, há possibilidade de você ser essa pessoa. Reclamar, lamentar, lastimar se torna tão habitual a pessoas que se enxergam como vítimas do universo que quem convive junto a estas nem leva em consideração mais suas lamúrias. Afinal, o ocorrer de eventuais adversidades desperta a solidariedade dos colegas, amigos, familiares, mas quem transforma tudo em adversidade só angaria descrédito.
 
As pessoas só têm defeitos, nenhum trabalho é bom, nenhuma amizade é verdadeira, nenhuma atividade é agradável, ninguém é admirável, nada dá certo, nada está legal, tudo é difícil, desprazeroso, chato, problemático, estressante, relatos contínuos de doenças, dores, sofrimento, infortúnios são comuns, enfim, encontrar motivos pra reclamar de tudo e de todos é um comportamento nítido de quem tem o mundo como inimigo. Estas pessoas constroem histórias tão convictas que passam a acreditar que realmente são coitadinhas e os outros carrascos, muitas vezes chegando a convencer alguém disso.
 
Se posicionando como vítima, além de desviar a culpa de si mesmo acerca das mazelas da qual reclama, existe a possibilidade de culpar um outro ser por tudo aquilo que se esta passando. É tão mais fácil culpar o funcionário e atribuir a ele erros do que assumir as próprias falhas enquanto chefe, é tão mais fácil culpar o outro por não nos amar do que assumir as atitudes nada amáveis que adotamos diante destas pessoas, é tão mais fácil julgar os alunos do que perceber a própria falha enquanto professor, é tão mais fácil apontar os marginais na rua do que assumir nossa própria contribuição para a marginalidade, é mais fácil culpar os colegas, a secretária, o motorista ao lado, o filho, os parentes por inúmeras coisas que não são muito agradáveis, mas que tem nossa parcela de culpa, ou total culpa pelo que vem a acontecer. Tudo que eclode em nossa vida esta sob nossa responsabilidade, se vitimizar é uma tentativa de fugir desta.
 
O ponto mantenedor do comportamento vitimizado é que este furta a atenção e misericórdia de pessoas que, mesmo que por pouco tempo, despende energia psíquica acreditando que a pessoa realmente foi injustiçada por alguém ou algo. Mesmo isso não sendo a verdade plena, ser vítima implica em um aglomerado de ganhos secundários, além da atenção das pessoas: o apoio, o amparo, a solidariedade, a disposição em lhe ajudar, enfim, muitas coisas satisfatórias. Se não existissem vantagens o comportamento não seria mantido
 
Conviver com gente que se acostumou a ser ‘pobre coitada’ não é algo muito fácil, porque qualquer tentativa que tenhamos de lançar um olhar mais positivo para animá-la, confortá-la ou incentivo a ela sair deste movimento passivo de derrota logo é bombardeado pelas justificações das desgraças vividas. Concordar que a vida da pessoa é uma desgraceira mesmo é uma alternativa valida quando se cansa de vê-la tentando convencer de que é digna de pena. Afinal, chantagem emocional só comove o próprio chantagista, geralmente causa irritação no ouvinte.
 
Quem consegue identificar em si mesmo esta característica já esta em vantagem, pois não é algo muito fácil assumir os próprios pontos que merecem atenção. Se perceber é o primeiro passo em direção à mudança. A frase Lacaniana ‘Qual a tua contribuição na desordem da qual te queixas?’ é importante de ser lembrada continuamente diante das vicissitudes da vida.
 
As pessoas só colhem aquilo que plantam. Cada pensamento, ação, palavra que lançarmos ao mundo é uma semente que, querendo ou não, vai implicar em resultados. É má-fé ficar culpando aos outros, culpar o mundo, culpar o destino e se fazer de vítima. A culpa pelo que escolhemos projetar no mundo nunca é do outro, é só nossa. Cada um só é vítima de si mesmo. Quem não gosta do que está recebendo do “destino” deve refletir sobre o que fez lá no passado para estar hoje nesta situação, sem se fazer de coitadinho, porque isso é desprezível. A vida é apenas consequência do que fazemos ou que deixamos de fazer, ou seja, resultado de nossas escolhas pessoais.
 
 
Fonte: Temas de Psicologia

5 comentários:

  1. Excelente texto. Acabei por ver muito disso em mim. Não me orgulho disso e estou consciente em mudar minha posição. Obrigado!

    ResponderExcluir
  2. Nossa,acabei de identificar tudo desse texto com uma pessoa conhecida (parente,na verdade),nem sabia que era um dísturbio ou coisa parecida,ajudou muito,vou passar a olha-lá de forma diferente!

    ResponderExcluir
  3. Olá gostaria de agradecer a vocês por essas ricas enigmáticas sabedoria que tem me ajudado no meu dia a dia no que gosto de fazer. aconselhar mesmo que eu seja um leigo nesses assuntos, mas trata de cada caminhada feita por mim e por aqueles que se identificam com os textos!

    ResponderExcluir
  4. Muito bom texto,realmente há pessoas que não vêem alegria em nada,e não escolhem lugar nem pessoas para falar sobre o seu suposto sofrimento,relatando sua intimidade,sua vida pessoal a qualquer pessoa,no trabalho,na rua,no comércio...o que importa para essas pessoas é por aonde passar as pessoas saberem que ela é vítima da vida e não merece,normalmente tem muitos conhecidos e pouquíssimos amigos.Triste, porque a mudança está na própria pessoa.

    ResponderExcluir