terça-feira, 31 de dezembro de 2013

CIÚMES DE VOCÊ

CIÚMES. QUE SENTIMENTO É ESSE?
Por Alessandra Amorim
 
 
 
Ciúmes… Que sentimento é esse? É muito comum rotularmos algumas pessoas ou até nós mesmos como “ciumentas” a partir de um conhecimento básico do que é este sentimento. Muitos acreditam que demonstrar ciúmes em relação ao parceiro é uma forma de demonstrar o amor que sente ou até mesmo uma maneira de fazer certo “charme” para chamar a atenção. Seja a primeira ou segunda opção (ou nenhuma delas), fato é que muitos relacionamentos tem se desgastado com uma dose a mais do famoso “ciúmes de você”… E quem paga a conta? Sim, com certeza somos nós mesmas. Isso acontece porque a princípio o ciúme pode parecer bom, mas se excede, o relacionamento tende a passar de interessante à estressante para ambos.   Mas afinal, como identificar um ciúme normal do patológico? Precisamos entender que esse sentimento faz parte do ser humano, pois está relacionado com os cuidados entre o casal que nutre amor um pelo outro. O problema ocorre quando vira uma obsessão, seguida de desejos de controle sobre a vida do parceiro.
 
 
CIÚMES E INSEGURANÇA - VILÕES DO RELACIONAMENTO
 
É muito comum a pessoa ciumenta sentir-se insegura. Interessante que essa insegurança não está relacionada apenas ao parceiro. Ela sente-se insegura em relação a ela mesma! O sentimento de insegurança leva ao medo (um deles o de perder o objeto de desejo – o parceiro) o que inevitavelmente levará mais cedo ou mais tarde a uma situação de controle.  O ciumento tende a criar um clima de tensão toda vez que se sente ameaçado, levando o relacionamento a um constante estado de estresse e desgaste. Existem ainda, aqueles casais que vivenciam essa situação em dose dupla – os dois são ciumentos. Muitos desses casais até criam situações para “provocar” o parceiro, ou simplesmente para dar o troco. Tudo isso demonstra certa imaturidade de ambos e aponta para uma rotina de discussões e cansaço emocional.  
 
 
ALERTA! QUANDO O SENTIMENTO SE TORNA PERIGOSO...
 
Ela não mais satisfeita com o relacionamento, decide romper, porém ele não aceita. Ok, você não me quer…não tenho você, então mais ninguém terá! Resultado: tragédia! Não raro, ouvimos nos telejornais ou lemos as matérias de relacionamentos que tiveram um fim trágico. O parceiro (a) rejeitado não concebe a possibilidade de seu antigo amor ter uma vida alheia à sua e por esse motivo prefere dar cabo a vida de pessoas que ainda tinham muito que viver. Esse alerta é uma via de mão dupla: ao mesmo tempo em que é bom fazer uma autoanálise, também é necessário observar tipos de comportamentos do parceiro que apontam para reações agressivas ou imprevisíveis devido aos ciúmes. Sempre é bom lembrar que em muitos desses casos que tanto ouvimos, o relato é de que o “ciumento” já havia demonstrado traços mais agressivos anteriormente. 
 
 
DE UM EXTREMO A OUTRO (8 – 80)
 
Assim como existe um exagero em determinadas pessoas no que se refere aos ciúmes, existem outras pessoas que exageram, mas na arte de confiar “demasiadamente”. O que isso quer dizer? Que essas pessoas que confiam demais, podem muitas vezes não perceber alguns sinais que o relacionamento nos dá, de que alguma coisa está fora do lugar. O ciúme pode, muitas vezes até ser um aliado ao casal, no sentido de zelar pelo relacionamento, através sempre de um bom diálogo e da maneira de conduzir esse sentimento. Como diz a psiquiatra italiana Donatella Marazziti, o ciúme na medida certa, protege; em excesso, mata a relação. Concordo com a doutora e afirmo: a saúde está no equilíbrio!
 
 
AS REDES SOCIAIS E O CIÚME
 
Não tem como negar: as redes sociais são motivos de muitas brigas, ciúmes e relacionamentos rompidos… Fato! O facebook, a rede social mais popular da atualidade, por exemplo, não é somente uma via comum de flertar, mas um meio usado por muitos para “acompanhar” atuais e ex-parceiros.
 
Segundo uma pesquisa da Universidade de Guelph, no Canadá “a maioria das brigas por motivos de ciúme estão relacionadas ao site – fotos colocadas por ex-namorados (as) e comentários deixados por amigos do sexo oposto são as principais causas”. Vale a pena analisar que, se tratando de mundo virtual, uma “curtida” em uma foto pode sugerir ao ciumento algo mais. É importante trazer todo desconforto criado em rede para a vida real, através de uma conversa franca e direta, sem maiores implicações. Isso porque conversando “a gente se entende”. Mas há quem não se contente! Algumas mulheres passam dos limites, se tornam detetives por excelência e vasculham todo o espaço de privacidade do parceiro. Esse comportamento além de viciante pode ser nocivo ao casal.
 
 
CIÚME DE TUDO E TODOS
 
Existe ainda, aquele ciúme que a pessoa nutre pelo parceiro, e por tudo que o cerca: parentes, amigos, atividades e hobbies. Esse sentimento tem mais a ver com o sentimento de posse em relação ao outro do que qualquer outra coisa. Para ela, tudo (e todos) é sinônimo de perigo e para se defender do medo que sente, ataca. Suas armas são a manipulação e o controle. Podemos perceber claramente que o foco do ciumento em questão não é o parceiro, e sim ele mesmo, tornando assim um ciúme patológico. É nessa hora que buscar uma ajuda profissional pode ser a melhor opção.
 
 
ACOMPANHAMENTO PSICOLÓGICO
 
A terapia auxilia nesse processo, ajudando o paciente a encontrar a real motivação para o ciúme, muitas vezes enraizado lá no passado. Essa escolha fortalecerá sua autoestima, aprendendo a exercitar o autocontrole, a confiar em si mesmo e consequentemente, nos outros. Procurar uma ajuda profissional neste sentido é sempre sinal de força e não de fraqueza. Vale a pena investir em si mesmo.

0 comentários:

Postar um comentário