segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

A FANTASIA DO AMOR PERFEITO

Por Katree Zuanazzi
 
 
 
O amor perfeito é vivido em sua impossibilidade de concretude, é existente apenas em nível de pensamento, fantasia, tudo no campo do imaginário. Na prática depara-se com o desmascarar da ilusão, com a frigidez da plenitude, com o fim de um começo que nunca existiu. O amor na prática nunca será sublime quanto na fantasia.
 
Quando nos deparamos com a possibilidade de amor é arquitetado, consciente ou inconscientemente, toda uma estrutura mental a respeito deste sujeito que é um potencial ser pra ser amado, bem como, para todas circunstancias que permeiam esta relação. Em meio à emergência de uma infinidade de fantasias cercando este sujeito, uma expectativa passa a existir que confronta quando a realidade se faz presente.
 
Quando contatamos realmente o objeto amado, o descobrimos, o desvelamos, destrói-se juntamente toda e qualquer possibilidade de amor pleno. Alguém disse que só se ama um desconhecido. O desconhecido é a nossa perfeição projetada em um alguém real e desconhecida, que por esse fator se torna possível atribuí-la todas as virtudes que julgarmos necessários, o desconhecido é criado por nossa ideia de ideal, mas quando a pessoa deixa de ser desconhecido se desmancha toda a construção outrora estabelecida.
 
O conhecido é um ser independente, que atua além do que queremos ou desejamos, que tem vontade própria, que tem defeitos além do que pensamos, que critica, opina, tem costumes, manias, maneiras subjetivas de ser, e isso destrói o amor. O amor é massacrado com o conhecimento. O amor perfeito, pleno, fatídico só existe no plano da fantasia. Ao deparar-se com a realidade ele involuntariamente se dissolve dando espaço as imperfeições do sujeito amado. Só resta chorar o amor que se vai, elaborar o luto e se lançar a um novo processo semelhante, ou aceitar este amor imperfeito.
 
O amor imperfeito não é menos amor por ser mais angustiante, é tão intenso e verdadeiro quanto o amor no plano da fantasia, apenas mais complicado de se vivenciar, talvez por isso tanta gente tenha preferido manter relacionamentos virtuais. Como é difícil lidar com o defeito dos outros, e vê-los agir sem saber o porquê optaram por tais comportamentos, ir de encontro as nossas vontades, questionar nossas verdades, nos travar, confrontar, mostrar outras formas de existir, nos impressionar, nos deixar confusos, atônitos, sem saber lidar com o enigma que é este outro, mas não é impossível de estruturar-se como relação estável. Aliás, é totalmente possível! Qualquer pessoa com maturidade é capaz de fazer esta transferência da fantasia para a realidade e se adaptar a ela, mesmo que com sofrimento e lastima. Isto é o amor possível.
 
As pessoas querem uma coisa que não existe. E vivem frustradas por não conseguir alcançá-la. Mas a frustração apenas existe porque foram criadas expectativas exorbitantemente elevadas em que não há o mínimo de chances de serem condizentes com a realidade. Quem não fantasia com “contos de fadas” mirabolantes não corre o risco de sofrer tanto com a realidade, que, querendo ou não, lutando ou não, jamais será livre de infortúnios.
 
 
Fonte: Temas de Psicologia

0 comentários:

Postar um comentário