sábado, 9 de novembro de 2013

CASAIS SE ESFORÇAM MAIS EM RELACIONAMENTOS À DISTÂNCIA

Nova pesquisa publicada no Journal of Communication sugere que pessoas em relacionamentos de longa distância, muitas vezes têm laços mais fortes, pela comunicação mais constante e mais profunda, do que as relações normais.
 
A crença é que a distância geográfica mobiliza as partes a se engajarem em uma comunicação mais profunda, mais satisfatória.
 
Os pesquisadores de comunicações drs. Crystal Jiang, da City University de Hong Kong, e Jeffrey Hancock, da Universidade Cornell, pediram a casais de namorados em relacionamentos de longa distância e casais geograficamente próximos para relatarem suas interações diárias nos mais diferentes meios: cara a cara, telefonemas, vídeo chat, SMS, mensageiros instantâneos e e-mail.
 
Por mais de uma semana, eles relataram até que ponto compartilharam sobre si mesmos e experimentaram intimidade, e em que medida eles sentiram que seus parceiros fizeram o mesmo.
 
Ao comparar os dois tipos de relações, Jiang e Hancock descobriram que os casais de longa distância sentiam-se mais íntimos um com o outro, e esta maior intimidade é impulsionada por duas tendências: de que casais de longa distância abriam-se mais, e de que eles idealizavam o comportamento dos seus parceiros.
 
Curiosamente, estas duas tendências tornam-se mais pronunciadas quando os casais se comunicaram por meios assíncronos e móveis de comunicação baseada em texto, porque eles faziam mais esforços para superar as limitações do meio.
 
Relacionamentos de longa distância não foram explorados durante anos. Uma das razões é que o público em geral acredita que eles são raros e não normais.
 
Estudos anteriores se concentraram em como os casais lidam com problemas, tais como ciúme e estresse, mas até recentemente, vários estudos têm mostrado que os relacionamentos de longa distância nem sempre são problemáticos.
 
Algumas pesquisas indicam ainda que os casais de longa distância têm qualidades iguais ou melhores do que os casais de relacionamento geograficamente próximos.
 
Para lidar com a diferença de opiniões, o presente estudo foi projetado para observar o que acontece exatamente na comunicação relacional, de longa distância, particularmente em comparação com aqueles geograficamente próximos.
 
Romance de longa distância é muito mais comum hoje em dia. Casais se separa, por uma variedade de razões, devido à mobilidade moderna, e escolhem manter as relações através de todos os tipos de tecnologias de comunicação.
 
Estatísticas recentes mostram que 3 milhões de casais nos EUA vivem separados; 25 à 50% dos estudantes universitários estão em relacionamentos de longa distância e até 75% deles se envolveram em um em algum ponto. Por outro lado, as pessoas consideram que relacionamentos de longa distância são desafiadores.
 
“Na verdade, nossa cultura enfatiza estar juntos fisicamente e o freqüente contato cara-a-cara para relacionamentos íntimos, mas as relações de longa distância colocam-se claramente contra todos esses valores. As pessoas não têm que ser tão pessimistas sobre o romance de longa distância”, disse Jiang.
 
“Os casais de longa distância se esforçam mais do que os casais geograficamente próximos em comunicar afeto e intimidade, e seus esforços são saldados.”
 
 
 
Texto de RICK Nauert PHD Editor Sênior de Notícias
Revisado por John M. Grohol, Psy.D. em 19 de julho de 2013
 
 
Fonte: PsychCentral

0 comentários:

Postar um comentário