sexta-feira, 1 de novembro de 2013

9 EMOÇÕES QUE VÃO VIRAR DISTÚRBIOS PSIQUIÁTRICOS


A partir das próximas semanas, milhões de pessoas devem ingressar na lista de doentes psiquiátricos no Brasil e no planeta.

Não se trata do aparecimento de nenhum vírus digno de filme de ficção científica: o prognóstico é feito por médicos diante do lançamento de um livro que define quem é normal ou não. O chamado DSM-5, sigla em inglês para o Manual de Diagnóstico e Estatísticas de Doenças Mentais, é considerado a bíblia desse ramo da medicina. Editado pela Associação Americana de Psiquiatria (APA) desde os anos 1950, ele serve como base para médicos se pronunciarem sobre sua prática, universidades definirem linhas de pesquisa e seguradoras estabelecerem males cobertos pelos planos de saúde. Sua quinta edição será publicada no mês que vem e está dando o que falar por causa das novas doenças incluídas.
 
 
Veja quais são algumas delas:         
 

Luto

Como era: só poderia ser considerado um quadro de depressão se os sintomas perdurassem por dois meses.

Como vai ficar: se durar mais de duas semanas, poderá ser tomado como um quadro depressivo.
 

Distúrbios sexuais

Como era: separados em distúrbios comportamentais (como fantasias) e disfunções como a falta de lubrificação e de orgasmos.

Como vai ficar: mulheres com desinteresse sexual em 100% dos encontros por seis meses podem ser consideradas doentes.          
 

Esquecimento

Como era: não citado no manual.

Como vai ficar: o comprometimento cognitivo leve passa a ser considerado um quadro pré-demência, passível de eventual tratamento.          
 

Vícios

Como era: o manual anterior distinguia abuso e dependência de substâncias.

Como vai ficar: acaba a separação existente e novas compulsões ganham status de males - caso do jogo e da comida. Vício por internet deve ganhar atenção futura.          
 

Acúmulo de objetos

Como era: considerado uma característica sintomática do transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).

Como vai ficar: sob determinadas condições, passa a ser considerado doença.         
 

Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH)

Como era: podia ser diagnosticada a partir dos 7 anos.

Como vai ficar: a idade mínima é aumentada para 12 anos. Mais sintomas passam a ser exigidos para o diagnóstico em adultos.          
 

Transtorno de personalidade

Como era: o DSM-IV trazia uma relação com dez transtornos - como os de personalidade antissocial, borderline, paranoide, histriônica e narcisista.

Como vai ficar: a classificação é mantida, mas se propõe uma revisão futura dos critérios.          
 

Desregulagem perturbadora de humor

Como era: não citada no manual.

Como vai ficar: crianças com irritabilidade ou explosões de raiva frequentes por um ano podem ser diagnosticadas com esse mal - em vez de transtorno bipolar.          
 

Transtorno de estress pós-traumático

Como era: exigia apenas três sintomas.

Como vai ficar: tem seu diagnóstico aperfeiçoado, com mais sintomas fazendo parte do pacote, incluindo sinais comportamentais. O diagnóstico para crianças será mais rigoroso.          
 
 
 
 
Fonte: M de Mulher

2 comentários:

  1. TDAH e TEPT ficou melhor, mais especificidade para diagnosticar, menos gente medicada sem necessidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. exato, tem gente que hoje é considerada doente que deixará de ser

      Excluir