segunda-feira, 30 de setembro de 2013

CUIDADO COM OS SUPOSTOS "TERAPEUTAS"

Tenho visto se proliferar pessoas que se autodenominam terapeutas. As propagandas são das mais diversas formas e muito invasivas, chego a pensar que estes supostos “terapeutas” estão mais para publicitários ou profissional de marketing, porque o forte deles em vez de ser a saúde alheia é a autopromoção. Os chamo de terapeutas com síndrome de popstar.
 
Terapeuta complementar, terapeuta do emagrecimento, terapeuta da mulher, terapeuta de outras vidas, terapeuta de cura da alma, e mais uma infinidade de nomenclatura (temos que concordar que são muito criativos, para continuamente estarem inventado nomes para se autodenominar). O interessante é que nenhum destes que assim se intitulam tem formação para trabalharem como profissionais de saúde! Fazem uns cursinhos de finais de semana e já saem com uma divulgação pesada ludibriando as pessoas. Assim, muitos que não se instruem a respeito da veracidade das informações acerca do que estes profissionais estão afirmando ser, acabam caindo nas garras destes que, com muita lábia e simpatia, os emaranham em seus ardis.
 
Resultado no que fazem? Que nada! O que pode acontecer é um efeito placebo rápido pela fé da pessoa (todos sabemos que a crença da pessoa pode promover algumas mudanças). Afinal, estes profissionais não conseguem resultado nem na própria vida utilizando suas técnicas, quem dirá na vida alheia! Já vi profissional trabalhar hipnose com o famoso “balão hipnótico” para emagrecimento, mas eles mesmos estão acima do peso. Se não tratam nem a eles mesmos, não promovem resultados na própria vida, como poderão promover na de alguém? Ninguém dá o que não tem! Ah, o campo da hipnose...
 
Outro campo em que se tem emergido uma legião de terapeutas mercenários é na hipnose. Quem trabalha com hipnose tem percebido o tanto de “profissionais” que não tem se quer um curso superior e já se acha profissional de saúde por trabalhar com hipnose, e o pior, dão cursos a verdadeiros profissionais de saúde que, assim como eu, não sabiam que a pessoa não era absolutamente nada. Ai vai lá o Dentista, o Psicólogo, o Médico em busca de aperfeiçoar o atendimento a seus pacientes e depois do curso descobre que o “professor de hipnose” não era absolutamente nada além de um charlatão. E o pior não é pra nós, profissionais de saúde, pois faremos frequentemente novos cursos de aperfeiçoamento procurando com mais critério os professores. O efeito prejudicial se da na vida dos leigos, dos que precisam urgente de tratamento de saúde e acabam se direcionando a estes profissionais incapacitados, sem formação e sem qualificação para atendê-los, que apenas são bons de conversa e de divulgação de si mesmo.
 
Aprender a ser seletivo em nossas escolhas é a melhor forma de não sermos enganados. Como disse Niccolo Maquiavel “Quem engana encontrará sempre alguém que se deixe enganar”. Seja como profissional de saúde ou como paciente que sou quando necessário, noto a importância de obter informações acerca da integridade dos profissionais antes de investir num tratamento ou curso.
 
Quando alguém nos engana a culpa não é dele, é nossa!
 
 
 
Fonte: Temas de Psicologia

Um comentário:

  1. Sou acadêmico de psicologia e tenho visto o mesmo comportamento mercantilista no meio de psicólogos que atuam no mercado, alguns precisam mais de tratamento que seus pacientes. Creio que deveria haver um maior controle dentro do próprio meio acadêmico para que a proliferação de faculdades não torne o profissional de saúde também
    um charlatão. Um charlatão com diploma que as vezes sabe menos que o charlatão não diplomado, tanto é que vai aprender como dominar as técnicas com este charlatão sem diploma. Diploma não me da garantia de competência, isso se obtém com um comportamento responsável, ético e de busca incansável pelo aperfeiçoamento

    ResponderExcluir