terça-feira, 4 de junho de 2013

SINDROME DE PETER PAN

POR QUE HÁ HOMENS QUE SE RECUSAM A CRESCER?


Eles se recusam a crescer. São inseguros, imaturos, dependentes, irresponsáveis, têm acessos de raiva e dificuldade em manter um compromisso afetivo. Apesar de não demonstrarem, costumam ter baixa autoestima. São muitos e estão em vários lugares, independentemente de país ou conta bancária. Trinta anos atrás, o psicólogo norte-americano dedicou a eles o livro "The Peter Pan Syndrome: Men Who Have Never Grown Up" (A Síndrome de Peter Pan: Homens que Nunca Crescem, numa tradução livre). No Brasil, publicado simplesmente como "Síndrome de Peter Pan".

Mas o que é essa síndrome, por que acontece e qual é o papel dos pais? Para o psiquiatra Paulo Gaudêncio, autor de "Men at Work" e "Mudar e Vencer" (ambos da Palavras e Gestos Editora), entre outros livros, as causas são sociais e familiares. "Ninguém fica neurótico por elegância", diz ele. "Se há homens que entraram nessa, é porque foram levados pela sociedade ou pela família, muitas vezes por ambos", afirma, lembrando que nas últimas décadas houve uma grande mudança de postura do homem e da mulher diante da sociedade.


MULHERES PÓS-GUERRA

A Segunda Guerra Mundial é o maior marco para essa mudança de comportamento, segundo o psiquiatra. Os homens foram lutar, as mulheres se empregaram nas fábricas para manter a família. Logo depois, o sexo feminino começou a frequentar universidades. "As mulheres das classes A e B puseram o coração na carreira e cresceram bastante. Já os homens se acomodaram. Elas passaram a tomar a frente em todas as áreas, inclusive sexualmente. Está tudo muito mais fácil para os homens", afirma Gaudêncio.

O que provoca um terreno fértil para se tornar um Peter Pan eterno, o garoto da Terra do Nunca que se recusa a crescer, no caso de já existir uma predisposição da personalidade. "Já vi casos de mulheres que compram carro novo e escondem do namorado, para não colocá-lo em posição de inferioridade", conta.

A família também tem seu papel. A superproteção dos pais, por exemplo, é um dos motivos que podem fazer com que o homem fuja de compromissos na vida adulta, diz Paulo Gaudêncio.

A professora Adriana Marcondes Machado, do Instituto de Psicologia da USP (Universidade de São Paulo), também lembra que a valorização excessiva da infância, transformando a criança em um pequeno tirano em casa, pode levar a um adulto que não vai ter tolerância alguma com as coisas que vão contra seus desejos. Ou seja, a tirania continua, mas nem sempre o mundo tem a condescendência dos pais.

''Hoje em dia, pais não querem deixar a criança chorar ou se frustrar. A consequência é que elas acabam ficando com pouca capacidade criativa para inventar a vida", diz a professora Adriana. Ou, como diz a psicoterapeuta Cecília Zylberstajn, as crianças não criam "casca" e acabam não adquirindo habilidades para enfrentar a vida adulta.

"A superproteção gera pessoas mimadas e despreparadas, que acham que o mundo e as pessoas existem para servi-las. Quanto mais a família protege, mais está ajudando o filho a se tornar uma pessoa inapta para o mundo", diz Cecília. "Para você se tornar adulto, tem de passar, sim, por situações doloridas. Relacionamentos terminam, há contas a pagar, amigos vão embora, rejeições acontecem em várias áreas", afirma.


JUVENTUDE ETERNA E PRAZER IMEDIATO

Família à parte, a professora Adriana Machado Marcondes também aponta outras causas que contribuem para que o Peter Pan se manifeste na idade adulta: a valorização extrema da juventude, o temor à velhice e a divulgação na mídia de que há certas coisas que precisam ser feitas. "Precisamos viajar, precisamos fazer algo diferente, precisamos de novas experiências. A intensidade do tempo vivido perde terreno para o tempo cronológico", diz ela.

Já Cecília Zylberstajn lembra que hoje, ainda mais do que quando o livro foi escrito, em 1983, o mundo está ligado a prazeres imediatos e à incapacidade de adiá-los, vinda daí a sensação de que precisamos de mais tempo para fazer tudo o que se espera e a recusa em envelhecer.


O QUE OS PAIS PODEM FAZER

Os pais desempenham papel fundamental para que o filho se desenvolva emocional e afetivamente. "Eles precisam cortar o cordão umbilical e deixar o filho crescer", diz Cecília, mas sempre orientando a criança, acompanhando-a em suas dificuldades e mostrando as consequências de seus atos. "Ao decidir mudar de atitude, é preciso deixar claro por que está fazendo isso, para que não soe como abandono e, sim, como possibilidade de crescimento", diz ela.

Um bom começo é a família fazer com que o filho encare responsabilidades em todos os sentidos, acrescenta o psiquiatra Paulo Gaudêncio. Em primeiro lugar, com os estudos. Depois disso, com a própria subsistência. A partir daí, novas responsabilidades ocorrerão naturalmente.



Fonte: UOL Comportamento


3 comentários:

  1. Gostei do texto,mas acho que isso é levar as coisas muito a ferro e fogo. Acredito que esse implante "cristão" que nos colocaram de que há necessidade de sofrimento no caminho para uma evolução caiu por terra. A sociedade mudou e tal qual,mudaram-se os comportamentos. Há uma nova necessidade de adaptação e não ficarmos presos a antigos padrões de conduta que não levavam a lugar algum, ou no mínimo, criaram adultos neuróticos e casamentos falidos. No mais, excelente texto.

    ResponderExcluir
  2. Não acredito que seja um "implante cristão". Não acho que no texto quiseram dizer que o o sofrimento faz evoluir, mas sim aprender a lidar até mesmo com os desprazeres faz evoluir (já que sem dúvida nenhuma não são poucos e fazem parte da vida). Realmente, se um sofrimento não lhe significou nada, então nada te acrescenta. Mas acho impossível alguém passar por um sofrimento verdadeiro e não provocar reflexão nenhuma, nenhuma ideia lhe passar pela cabeça.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom o texto. Penso que a ideia constante de não está preparado para o passo seguinte é um dos atributos para a realização da síndrome citada. A insegurança parecer ser uma constante nas nossas construções diárias. A recusa acontece de forma extremamente simbólica. E o que pode causar o desconforto é a percepção que a vontade em se tornar uma eterna criança foi transformada em uma necessidade impossível, pois o corpo cresce, a sociedade muda e a cultura se diversifica. O espíríto da criança não pode padecer, mas é preciso que o nosso ser adulto apareça para gerenciar e otimizar a vivência da nossa eterna criança.

    ResponderExcluir