sexta-feira, 28 de junho de 2013

REBATENDO O FELICIANO

Por Esequias Caetano



Vamos entender o vídeo de Feliciano.

Estava muito bom até ele pouco depois do minuto 6, onde ele diz que o parágrafo único do artigo terceiro
do código de ética do Psicólogo impede os Psicólogos de 1) atenderem homossexuais e 2) estudarem/ entenderem a homossexualidade.

MENTIRA: se de fato houvesse essa proibição, não existiriam tantas pesquisas sobre o tema, como existem atualmente. Cito, a título de exemplo, uma das mais completas revisões bibliográficas sobre o tema, feita no Brasil. 



Nela estão citados diversos outros estudos:

Feliciano fala que é no referido parágrafo que surge a palavra "CURA" pela primeira vez. MENTIRA. Este parágrafo foi criado especificamente porque psicólogos vinham propondo reversão sexual no país e existem evidências mais que suficientes demonstrando que as tentativas já feitas, resultaram apenas em SOFRIMENTO e maiores transtornos, inclusive, suicídio. No final deste documento estão citados alguns destes estudos: http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2013/04/Parecer-PDC-234.pdf

O artigo que citei antes também traz alguns estudos falando das desastrosas consequências das terapias de reversão.

No tempo 08mins08seg de vídeo o Feliciano aborda o artigo quarto do Código de Ética, que proíbe os psicólogos de se pronunciarem de forma a reforçar preconceito e discriminação à homossexualidade. Porém, o deputado o faz de forma desonesta, resumindo o artigo à expressão "os psicólogos não se pronunciarão" e OMITINDO o TIPO de pronunciamento que não deve ser feito: aquele que REFORCE PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO.

O Conselho JAMAIS impediu nenhum psicólogo de se pronunciar sobre o tema, tanto é que uma busca rápida no google é capaz de levantar inúmeros artigos e entrevistas de Psicólogos a respeito. Não encontra quem tem preguiça.

No final do vídeo Feliciano se coloca como vítima e usa um argumento convincente: está sendo usado de bode expiatório para desviar a atenção do que realmente importa. De fato, pode ser que sim e pode ser que não. Mas isto não torna coerentes as incoerências apontadas acima.

Ele insere um trecho do pastor Silas Malafaia dizendo que se a pessoa está insatisfeita com a própria homossexualidade, então, não pode ser ajudada. MENTIRA: pode sim!

Esta insatisfação é chamada ORIENTAÇÃO SEXUAL EGODISTÔNICA e é atendida NORMALMENTE por qualquer psicólogo ético. O atendimento a estes casos busca ajudar o indivíduo a compreender os motivos de sua insatisfação e ajudá-lo a resolver estes motivos. Neste processo, nada impede que o indivíduo deixe de ter relações homoafetivas (se assim ELE desejar), mas o mais comum é abandonar uma ou outra prática que ELE (o próprio indivíduo) considere inadequada e se manter tendo relações homoafetivas, aprender lidar melhor com o preconceito e discriminação ou desconstruir crenças discriminatórias sobre a própria sexualidade. Que tipo de crença discriminatória? Exemplo: "vou ser abandonado por quem eu amo".


Vídeo do Feliciano

0 comentários:

Postar um comentário