sábado, 22 de junho de 2013

RAPPORT

Por Katree Zuanazzi



"Rapport é a capacidade de entrar no mundo de alguém, fazê-lo perceber que você o compreende e que você tem um forte vínculo com ele. É a capacidade de ir plenamente do seu mapa de mundo para o mapa de mundo dele. É a essência da comunicação bem-sucedida", disse Anthony Robbins.

Rapport, palavra de origem francesa que se traduz por empatia, tem como significado a habilidade de se colocar no lugar do outro independente de concordar ou não com este.  
Através dele estabelecemos relação de respeito, de solidariedade, de compaixão, de compreensão com as pessoas com quem contatamos.

Mais do que receber sem julgamentos o que o outro está nos dizendo, significa a construção de um ambiente de confiança mutua. Só conseguimos estar-com em uma relação, verdadeiramente, se este vínculo representar algo seguro. Jamais há entrega quando não nos sentimos confortáveis com uma pessoa.

Sendo uma espécie de sintonia entre pessoas, é percebido em situações de proximidade como amigos conversando, casais em harmonia, crianças brincando, encontros terapêuticos, ou seja, toda relação que representa uma entrega entre duas partes que fazem uma troca autentica. O rapport tem muito a ver com respeito, aprender a amar o outro, ser humilde, flexível.

É estabelecido, basicamente, de duas formas: naturalmente ou artificialmente. Quando reproduzido naturalmente a pessoa nem se da conta do processo que é estar-com o outro numa relação de troca e aceitação. A reprodução artificial do rapport é muitas vezes considerada uma técnica que objetiva melhora nos relacionamentos interpessoais, se da pela técnica de espelhamento.

Espelhamento é entendido como tentativa de harmonizar com a outra pessoa com quem se está relacionando, por vezes se dá por uma imitação sutil da sintonia em que a pessoa está fisicamente e mentalmente para tentar enxergar o mundo através de sua ótica. Espelhar gestos, timbre de voz, ritmo, movimentos, postura, enfim, a infinidade de ações que manifesta este sujeito que esta em contato conosco, são importantes para o estabelecimento de rapport.

Tudo começa com uma intenção positiva, devemos ter um desejo genuíno de ser com o outro para ai então usar a técnica de espelhamento e o receber adequadamente. É uma aprendizagem, só aprendemos a estar- com o outro na medida que treinamos e percebermos os benefícios de estar verdadeiramente em uma relação de confiança.
Só estabelece rapport com os outros quem estabelece rapport consigo mesmo, as pessoas sempre projetam algo de si em pessoas externas. As pessoas só se relacionam bem com os outros se elas se relacionam bem consigo mesmas. Quem tem aversão de ficar consigo mesmo, terá aversão de estar com o outro. Quem não é bem resolvido com suas questões subjetivas não terá capacidade de estabelecer relacionamento autentico com o outro, muito menos rapport.

Um comentário:

  1. É preciso explorar e compreender nossas complexidades para podermos entender a complexidade do próximo. Antes de oferecer qualquer conselho, palavra amiga ou mesmo orientações psicológicas, imagine-se primeiramente oferecendo-os a si mesmo. Qual seria sua reação diante de suas próprias palavras? Assim, estaria entrando em um processo de interiorização, viajando pelos fantasmas de sua própria psique...a partir do momento em que consegue desvendá-los, estará apto a desvendar outros que não habitam em você.

    ResponderExcluir