segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

VOLTA ÀS AULAS


AS RELAÇÕES NO AMBIENTE ESCOLAR E SUAS VARIÁVEIS EXTERNAS
Por Paula Rodrigues




A atenção com a rotina dos indivíduos, inseridos em um ambiente escolar, é de suma importância para que se estude de forma minuciosa a permanência de um bem estar afetivo e emocional aos mesmos.

A atualização constante da equipe pedagógica com os programas de inclusão, erradicação de preconceitos, e de melhor linguagem pra lidar com a realidade dos alunos, auxiliam na diminuição da evasão escolar.

Se colocar no lugar do aluno, tentando visualizar sua realidade e a origem de seus problemas ou possível comportamento indisciplinado, ajuda a equipe manter uma ação mais humana e mais solidária com o sujeito.

Por muitas vezes o professor se torna figura referencial para o aluno, onde cria – se uma confiabilidade e o mesmo se sente mais confortável pra expor possíveis problemas.

Como o profissional vai receber esses problemas encarados pelos alunos é que é determinante para um possível desenvolvimento positivo e melhor enfrentamento de tal situação.

Com isso, a relação aluno – professor se torna mais respeitosa, onde ambas as partes se aceitam mutuamente, e tal relação é mais saudável.

Outra relação importante no ambiente escolar é o da coordenação com a equipe docente. É importante que o trabalho seja multidisciplinar, onde acontece uma união entre as ciências específicas e contribui para a educação de forma completa.

Segundo Piaget, a multidisciplinaridade ocorre quando "a solução de um problema torna necessário obter informação de duas ou mais ciências ou setores do conhecimento sem que as disciplinas envolvidas no processo sejam elas mesmas modificadas ou enriquecidas"

Por muitas vezes, o ambiente escolar é contagiado pelo clima organizacional, causando conflitos na convivência entre os profissionais. Aqui, fica clara a ausência de respeito ou incompreensão por uma ou pelas duas partes, onde a intolerância sobressai o profissionalismo e ambição pode tomar conta das sensações humanas do ambiente.

É importante que se coloque como prioridade a educação dos alunos, o respeito mútuo entre os profissionais e que essa boa educação que a equipe pedagógica transmite, também seja utilizada entre os colegas de trabalho, para que assim, sejam verdadeiras referências aos alunos, auxiliando na superação e no bom desenvolvimento escolar.

Sabe – se que não é possível desmembrar o ambiente escolar do meio social, ao considerarmos o comportamento e suas concepções em tal local.

Antes de freqüentar o ambiente escolar o sujeito vive em sociedade. Ou seja, vivencia a realidade das relações e os fenômenos do meio. Daqui, moldam – se condutas e posturas determinantes para a realidade escolar.

“A criança ou o adolescente dos dias de hoje, lidam com a nova tecnologia, resultado da globalização e as novas formas de explicações sociológicas interferem no aspecto intelectual, mas também financeiro do indivíduo, isto é, o ambiente escolar torna – se cenário de exposição dos objetos de desejo atuais, sejam eles eletrônicos, as tão questionadas “pulseiras do sexo”, um ídolo famoso ou o dito respeito hierárquico diante dos colegas, por outros motivos”. (RODRIGUES, 2009)


Nessa transição de faixa etária existe o desejo de evidência em relação aos outros, que pode agir inconscientemente. Muitas vezes, as células familiares já disseminam uma essência de arrogância e desejo de poder no lar, exigindo da criança ou adolescente, posturas firmes e precoces que vão além de seu tempo, ou seja, exige a ausência de respeito ao se impor na escola, com um colega ou até mesmo professores, pode exigir defesa constante dessa moralidade exacerbada que foge da realidade desses indivíduos. Há um esquecimento dentro desse lar, que esses indivíduos necessitam de carinho e respeito, há uma necessidade nesse período, de explicações claras do certo e do errado, e a presença do amor é extremamente importante para que esses jovens sintam – se compreendidos.

É importante que o olhar de respeito à diversidade seja amplo e acolhedor. Pois, atualmente, a realidade do aluno é composta por diversificadas questões sociais que influenciam sua vivência, deixando – o passivo da tolerância e aceitação da sociedade, hoje, tão preconceituosa.

O momento da escolha profissional é complexo para todos os jovens.

Tomar tão importante decisão implica em reconhecer e internalizar uma nova realidade. Ou seja, além do 
período de mudança da adolescência, o adolescente lida com a responsabilidade de responder a si mesmo a pergunta feita em toda sua infância: “O que quer ser quando crescer?”. É o momento da resposta determinante para o futuro.

Cabe a escola estimular tal questionamento ou auto questionamento. Estar atentos a feiras de profissões que muitas faculdades organizam, para que seus alunos visitem e conheçam mais a fundo uma possível escolha inicial, aplicação de dinâmicas de grupos para análise de realidade individual e de grupo, contratação de um profissional para orientação e demais ações podem ser benefícios em tal fase.

Ademais, o jovem lida com a expectativa da família, custos, transporte e demais obstáculos para que ultrapasse tão tortuoso caminho e chegue a tal resposta.

Evidenciar a ética, na utilização do poder profissional, traz grande progresso mundial ao dissipar da honestidade e dignidade humana, daí, o destaque para o Profissional de Psicologia.

No âmbito escolar é importante que a Equipe Pedagógica respeite o aluno em sua especificidade, evitando exposições, constrangimentos e demais conflitos.

Cabe a Coordenação, Diretoria, Corpo Docente, Secretaria, Equipe de Apoio e demais funcionários de tal ambiente, preservar a imagem moral de seus alunos, com o intuito de manter a confiabilidade mútua, necessária para facilitar a aprendizagem e evitar a evasão escolar.

A tão dita ética traz o discernimento e a conduta, a ser colocada em prática, fazendo com que o profissional compartilhe seu conhecimento e se doe de forma verdadeira e correta. O certo e o errado é um fator transformador na vida de um indivíduo, sendo sinônimo de alicerce na construção de sua história e carreira profissional, onde, ao possuir ética, em sua específica profissão, terá como conseqüência o sucesso e o respeito diante da sociedade, hoje tão mais informada e conhecedora de seus direitos.

Destaque para o investimento na educação dos, hoje, crianças, adolescentes e jovens, para que amanhã, adultos, graduados, mestrados, doutorados e afins, espalhem o orgulho e satisfação profissional em seu exercício.



Referências

ALMEIDA, Sandra Francesca Conte de. Psicologia Escolar – Ética e competências na formação e atuação profissional. Editora Alínea. 2ª Edição. Campinas/SP, 2006.

ARAUJO, Claisy Maria Marinho; ALMEIDA, Sandra Francesca Conte de. Psicologia Escolar – Construção e Consolidação da Identidade Profissional. Editora Alínea. 2ª Edição. Campinas/SP, 2008.

FRITZEN, José Silvino. Relações Humanas Interpessoais: Nas convivências grupais e comunitárias. 17ª Edição. Editora Vozes. Petrópolis/RJ, 2008.

GONÇALVES, André R. S. Lar Doce Lar. Brasil, 2010. Disponível em < http://cotidianoconsciente.blogspot.com/2010/03/lar-doce-lar.html> Acesso em 8 de junho de 2011.

GUZZO, Raquel Souza Lobo. Psicologia Escolar – LDB e Educação Hoje. Editora Alínea. 3ª Edição. Campinas/SP, 2007.

KALOUSTIAN, Sílvio Manoug. Família Brasileira: A base de tudo. 9ª Ed. Brasília, 2010

LARA, Luciane Dianin de. et al. O Adolescente e a Escolha Profissional: Compreendendo o Processo de Decisão. Umuarama/PR, 2005. Disponível em <http://revistas.unipar.br/saude/article/viewFile/1356/1207> Acesso em 10 de Junho de 2012.

PRETTE, Zilda Aparecida Pereira Del. Psicologia Escolar e Educacional – Saúde e Qualidade de Vida. Editora Alínea. 3ª Edição. Campinas/SP, 2008.

RODRIGUES, Paula Ap. dos Santos. A ação do inconsciente na ocorrência do Bullying escolar. Dourados/MS, 2009.

SILVA, Ana Patrícia da. et al. Paulo Freire. Pedagogia da Diversidade? Recife/PE, 2005. Disponível em <http://migre.me/9xLZc> Acesso em 11 de junho de 2012.

SOUZA, Célia Maria Moraes de. A Afetividade na Formação da Auto Estima do Aluno. Belém/PA, 2002. Disponível em <http://www.nead.unama.br/site/bibdigital/monografias/a_afetividade_na_formacao_da_auto.pdf> Acesso em 11 de junho de 2012.

TASSONI, Elvira Cristina Martins. Afetividade e Aprendizagem: A Relação Professor Aluno. Campinas/SP, 2010. Disponível em <http://www.anped.org.br/reunioes/23/textos/2019t.PDF> Acesso em 09 de Junho de 2012.

VYGOTSKY, L. S. (1994) A formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes.



0 comentários:

Postar um comentário