quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

EU TENHO UMA DÚVIDA


EU TENHO UMA DÚVIDA: QUANDO É QUE VÃO ACABAR AS MINHAS DÚVIDAS?
Por Shayene Mariano


Somos seres consumidos pelo instinto da falta... Falta sempre aquilo que nunca é alcançado, falta o que supostamente completaria o vazio de dentro. Vivemos em busca da satisfação e completude, mas há um vazio interior o qual não é saciado. Por mais que nossa busca e vivência sejam direcionadas para essa falta que almejamos preencher, não saberíamos nomeá-la.

Lacan diria que essa falta sem condições de preenchimento se trata do objeto causa do desejo, o qual não é um objeto específico. Portanto ao considerarmos a subjetividade do indivíduo, o objeto causa do desejo torna-se distinto para cada um. É importante ressaltar que objeto causa do desejo não é a mesma coisa que objeto de desejo.

Quando o desejo se volta para objetos- única coisa, aliás, que ele faz, incessantemente – ele o faz revestindo o objeto faltoso que o causa com alguma marca, algum atributo de significação que faz do objeto o alvo do desejo. Causa e alvo, no caso de desejo, portanto, jamais coincidem. (Elia, 2004).

Não raramente acreditamos sermos seres completos quando conquistamos algo esperado há muito tempo, como um emprego, um filho, passar no vestibular. Mas depois de desfrutar a euforia momentânea, a realidade nos persegue, nos impossibilitando o preenchimento da falta e consequentemente aumentando nossas dúvidas em relação a nossa própria existência.

Dificuldades com o mundo interno refletem no externo. A vida é surpreendente, mas a maneira como a compreendemos é que a tornará significativa. “O homem pode viver as coisas mais surpreendentes, se elas tiverem sentido para ele. Mas a dificuldade é criar esse sentido.” Carl Gustav Jung.

Apenas viver sem buscar a perfeição. Desfrutar das surpresas da vida e significá-las sem esperar o irreal, sem fixação no impossível. Preencha sua falta, simplesmente, vivendo a vida.



Referência : ELIA, L. O conceito de sujeito. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.



0 comentários:

Postar um comentário