quarta-feira, 10 de outubro de 2012

MADAGASCAR NO DIVÃ

Por Luis Silvestre




Se as personagens de Madagáscar 3 fossem humanas, algumas estariam internadas ou deveriam ter acompanhamento psicológico. Essa foi a conclusão da psicóloga Ana Durão, que fez o diagnóstico destes desenhos animados. “Apesar de ser uma caricatura do comportamento dos seres humanos, aborda assuntos sérios com muito humor”, sublinha.
 
A personagem principal, Alex, o leão, apresenta os sintomas típicos de quem sofre de uma neurose fóbico-ansiosa. “Tem o quadro clínico quase todo”, sublinha a especialista. “Estes indivíduos têm uma grande necessidade de controlo e não gostam de se afastar da sua zona de conforto.” Além disso, o protagonista da história tem medo da mudança, fica ansioso mesmo quando as novas oportunidades que lhe surgem são boas. A vaidade excessiva é outro sinal que confirma o diagnóstico.
 
O caso mais grave é mesmo o da girafa Melman. A sua grande preocupação com o corpo, os movimentos descoordenados e a procura desesperada de atenção são típicos dos hipocondríacos com elevado grau de histeria. “É muito comum este tipo de indivíduos revelar uma preocupação excessiva consigo e a sua segurança, que os impede de ter uma vida normal”, diz a psicóloga.
 
A personagem mais fascinante para a especialista é a zebra Marty. Além de ser mais complexa do ponto de vista psicológico, mistura um pouco de tudo. “Tem comportamentos depressivos, ingenuidades e inseguranças, mas atira-se de forma irresponsável para novas situações, muito comum nos neuróticos.” Já no caso dos macacos, há um quadro clínico com sintomas típicos de muitos psicopatas: “Estão sempre a agredir-se uns aos outros, roubam e vivem à custa de oportunidades, nem que isso implique enganar os outros. Pior: riem-se e tiram prazer dos seus esquemas desonestos”, diz.
 
Os pinguins são o exemplo de como os grupos podem ser uma má influência. “Têm comportamentos psicóticos, em que há perda de contacto com a realidade.” No seu mundo de fantasia, são mentalmente desorganizados e põem os outros em risco. Glória, a hipopótamo-fêmea, é mais difícil de caracterizar. “É uma das poucas personagens femininas com destaque. O filme é dominado por personagens masculinas.” Apesar disso, percebe-se que é a mais ponderada e equilibrada do grupo. “É um dos raros elementos sensatos da história”, diz Ana Durão.
 
A psicóloga defende que este tipo de filmes é muito útil para ajudar as crianças e mesmo os espectadores adultos com problemas semelhantes. “Como é comum, a maioria dos filmes de animação tem um final feliz. E isso dá sempre pistas para ultrapassar várias fobias e problemas psicológicos”.
 
 
 ALEX O LEÃO
Sintomas:

- tem medo de situações
- novas e da mudança, é vaidoso e não reage bem sob pressão

Diagnóstico: neurose fóbico-ansiosa



MELMAN A GIRAFA
 
Sintomas:
- obsessão com o corpo e as doenças,  
- descoordenação motora

Diagnóstico: hipocondria histérica

 
GLÓRIA O HIPOPÓTAMO
 
Sintomas:
- reage bem ao stresse
- calma e ponderada

Diagnóstico: personalidade equilibrada

 
PINGUINS

Sintomas:
Formam um grupo disfuncional, dependem dos outros para tudo

Diagnóstico: psicóticos
 
GIA

É uma linda jaguar com bom senso e equilibrada que convence Alex a arriscar-se no trapézio, vencendo os seus medos.
 
VITALY

Este tigre russo tem forte personalidade, mas é um típico quadro de stresse pós-traumático, com ataques de pânico.


STEFANO
 
É um hiperactivo leão-marinho italiano que só vê o lado positivo das coisas. É típico de algumas neuroses: não medir os riscos. 
Fonte: ZGUIOTTO




2 comentários:

  1. Muito bom e divertido também.
    É bastante didático pegar personagens assim para analisar, me lembrou bastante o livro "Lobo Mau no Divã", que fala sobre quase todos os famosos personagens infantis.
    Adorei!

    ResponderExcluir
  2. Analise interessante e fácil de concordar, mas fica bem evidente o aspecto predominantemente dogmático dessas analises onde toda pessoa que não se enquadre perfeitamente nos interesses mercantilistas da sociedades acaba sendo definido como "doente". Qualquer comportamento individual, e qualquer característica distintiva é uma doença e precisa ser tratada ?Isso tudo está muito errado.

    ResponderExcluir