quarta-feira, 22 de agosto de 2012

SOBRE CRISTIANISMO E HOMOSSEXUALIDADE

Por Dann Toledo


Atualmente tenho ouvido e visto muito sobre questões acerca da cura gay, homossexualidade, o papel do psicólogo, homofobia, cristianismo e psicologia dentre muitas outras coisas.

Hoje, eu resolvi escrever algo em relação a isso.
Enquanto estudante de psicologia e cristão, acho muito importante poder falar o que penso.

Durante o decorrer do texto, vocês poderão ver muito mais um cristão/cidadão do que um futuro profissional de psicologia. E é como um cidadão que penso que devo me posicionar acerca de todos esses fatos. Muitas vezes estarei falando diretamente para cristãos, outras para profissionais e estudantes de psicologia e em todas elas, para os leitores como um todo.

Não vou me ater a leis, PLs, linhas teóricas e nada muito científico.

Bom, vamos lá:

Um dos argumentos que cristãos usam para aconselhar homossexuais deixarem de ser homossexuais é que isso é um pecado e por ventura disso irão para o inferno.

Na Bíblia encontramos alguns textos que vão contra a prática homossexual, tais como:

"Não te deitarás com um homem, como se fosse mulher: isso é toevah (impureza)" Lv. 18:22

"Se um homem dormir com outro homem, como se fosse uma mulher, ambos cometerão toevah" Lv. 20:13

Baseados em textos como esse, muitos cristãos, alguns até psicólogos pregam contra a homossexualidade. Gritam aos quatro cantos que isso é errado, que eles estão pecando, que os homossexuais são pervertidos e tantas outras coisas. Ainda tomando versículos como este, as pessoas costumam em nome do que é certo agredi-los e discriminá-los.

Agora, enquanto cristão, eu pergunto:

Segundo a Bíblia, homossexualidade é pecado. E segundo a mesma Bíblia, masturbação, cobiçar algo que é do outro, mentir e principalmente o ódio, também são pecados. E mais uma vez a Bíblia nos diz que Deus não faz diferenciação entre pecados. Então, por que em nome de Deus, as pessoas agridem e odeiam alguém que não se diz heterossexual e não fazem o mesmo consigo mesmo quando cometem qualquer outra coisa que são tratadas como pecado?

A Bíblia também diz que Deus ama o pecador, independente do seu pecado e Jesus (o personagem principal dela) diz aos que o seguiam que o maior mandamento de todos era o amor. Ou seja: Amar ao próximo independente do que ou quem ele fosse.

Ao longo da história da humanidade, os aspectos individuais da homossexualidade foram admirados, tolerados ou condenados, de acordo com as normas sexuais vigentes nas diversas culturas e épocas em que ocorreram. Quando admirados, esses aspectos eram entendidos como uma maneira de melhorar a sociedade;


Quando condenados, eram considerados um pecado ou algum tipo de doença, sendo, em alguns casos, proibidos por lei. Desde meados do século XX a homossexualidade tem sido gradualmente desclassificada como doença e descriminalizada em quase todos os países desenvolvidos e na maioria do mundo ocidental. Entretanto, o estatuto jurídico das relações homossexuais ainda varia muito de país para país. Enquanto em alguns países o casamento entre pessoas do mesmo sexo é legalizado, em outros, certos comportamentos homossexuais são crimes com penalidades severas, incluindo a pena de morte.

As principais organizações mundiais de saúde, incluindo muitas de psicologia, não mais consideram a homossexualidade uma doença, distúrbio ou perversão. Desde 1973 a homossexualidade deixou de ser classificada como tal pela Associação Americana de Psiquiatria. Em 1975 a Associação Americana de Psicologia adotou o mesmo procedimento, deixando de considerar a homossexualidade uma doença. 

No Brasil, em 1984, a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) posicionou-se contra a discriminação e considerou a homossexualidade como algo não prejudicial à sociedade. Em 1985, a ABP foi seguida pelo Conselho Federal de Psicologia, que deixou de considerar a homossexualidade um desvio sexual e, em 1999, estabeleceu regras para a atuação dos psicólogos em relação às questões de orientação sexual, declarando que "a homossexualidade não constitui doença, nem distúrbio e nem perversão" e que os psicólogos não colaborarão com eventos e serviços que proponham tratamento e/ou cura da homossexualidade. No dia 17 de maio de 1990, a Assembleia-geral da Organização Mundial de Saúde (sigla OMS) retirou a homossexualidade da sua lista de doenças mentais, a Classificação Internacional de Doenças (sigla CID). Por fim, em 1991, a Anistia Internacional passou a considerar a discriminação contra homossexuais uma violação aos direitos humanos.


Sou terminantemente contra a cura gay, até porque podemos ver que não existe nada que deva ser curado. E meu papel enquanto estudante, psicólogo e cidadão e cristão é garantir o direito de todos, independente de raça, costume, crença e orientação sexual. Se é pecado ou não, se é errado ou não, isso não importa. O que realmente importa é que devemos garantir o direito de todos poderem ser o que são sem que sofram nada por isso.




Referências


Politics as friendship By Horst Hutte; p66
(Bernstein, 2005)
a b Nota Pública - Comissão Nacional de Direitos Humanos apóia decisão do CFP. POL - Psicologia On Line.
a b Luis Mott (Setembro de 2006). Revista Estudos Feministas:Homo-afetividade e direitos humanos. 
Conselho Federal de Psicologia (22 de março de 1999). RESOLUÇÃO CFP N° 001/99. 





16 comentários:

  1. Como psicologa só posso dizer uma coisa: Freud, Melanie Klein explica.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela tua postura! Estou muito contente em encontrar um cristão que pense dessa maneira, que leve em conta a tradução da bíblia, a qual muitos pastores e padres interpretam de maneira errônea. Não compartilho da mesma religião que tu e não é por isso que não possa te respeitar e dialogar e vice-versa, o problema é que não é muito comum ver uma pessoa religiosa ser mais tolerante. Portanto, como estudante de psicologia, acho bacana te posicionar, pois tenho muitos colegas religiosos que não gostam de discutir a respeito. Parabéns novamente!

    ResponderExcluir
  3. Muito estranho um cristão dizendo que se é pecado ou não isto não importa! Caramba! Não sabes que o salário do pecado é a morte?!

    Topázio.

    ResponderExcluir
  4. Caro Topázio.
    Sei muito bem disso.
    E acredito também que seja assim.
    Mas enquanto psicólogo, o ser pecado ou não ser, não tem importância.
    Não posso obrigar alguém a pensar como eu.
    Se ele não for cristão?
    Se ele for cristão, mas, tem uma visão diferente da minha?

    Não posso obrigá-lo a se comportar da forma como eu quero só porque eu acho que ela é certa.

    Falando como cristão agora, sendo pecado ou não, devo deixar pra D'us resolver isso com ele.
    E tenho o dever, como psicólogo, cidadão e cristão garantir o direito de todos serem respeitados.

    ResponderExcluir
  5. Respeitar não implica em concordar! O compromisso do cristão é, em primeiro lugar com Deus e não com a Psicologia. Sendo psicólogo você não pode se posicionar contra as práticas homossexuais, mas também não precisa escrever o que fica parecendo uma apologia. E outra coisa, julgar não significa desrespeitar. Julgai todas as coisas e retende o que é bom é o conselho de Paulo. Quando Jesus disse que não devíamos julgar ele não estava proibindo a atividade de julgar, mas apenas contextualizando. Ele disse para tirarmos primeiro o cisco e a trave dos nossos olhos para depois podermos chegar com o próximo e mostrar onde ele está errando! Fazemos julgamentos a todo instante. Até quando dizemos que é errado julgar isto já é uma forma de julgamento. Devemos apenas cuidar para que nossos olhos estejam límpidos antes de falarmos com quem quer que seja. Não devemos apenas apontar falhas, mas também trazer a solução, que é Jesus Cristo. Concordo que existem pessoas hipócritas e que apenas apontam para a vida dos outros para serem superiores. Mas não é por isto que devemos ir para outro extremo e aprovar algo que a Bíblia claramente não aprova. O Cantares de Salomão só tem a versão entre homem e mulher!

    Os psicólogos que são cristãos estão em uma posição muito delicada, mas não penso que devam negociar seus valores. Concordo contigo quando dizes que não devemos obrigar as pessoas a pensarem como nós principalmente usando a Psicologia. Só não podemos negociar os valores cristãos. Situação delicada, mas para tudo tem solução que envolva o respeito ao direito dos outros de pensar diferente e o compromisso com Cristo.

    Fique na Paz de Cristo!
    Abraços,
    Topázio.

    ResponderExcluir
  6. Sinceramente? Não consegui nem terminar de ler depois da concordância que ser gay é pecado. Não tem lógica alguma. Primeiro que interpretação cada um tem a sua, então é impossível afirmar uma verdade absoluta lendo a bíblia.
    Eu cresci me considerando cristão e só há poucos dias atrás pude ver que realmente não posso ser hipócrita comigo mesmo fazendo esta falsa afirmação. Porque mesmo que eu saiba ter um ponto de vista balanceado sobre estas questões, sei que muita gente não tem e, logo, acabarão indo de acordo com o que escutam nestes cultos e tudo mais. Acredito fielmente que não conhecer a si mesmo só causa sofrimento e quem não conheci nem a si, jamais conhecerá o outro, o novo; agindo e seguindo o que outros mandam, realmente, não é um passo para este conhecimento.
    Talvez eu tenha minha fé, a minha espiritualidade, todos devem ter, mas religião, pra mim, acabou se tornando mais um impedimento do viver e não falo isso por mim, porque nunca me senti preso e impedido por ela, mas vejo o quanto há pessoas sofrendo por aí por causa de ideias impostas. Afinal, se eu quero o bem, apenas faço o bem, então acho que se querem o bem, apenas deveriam praticar o bem, não por medo de sofrer consequências se não o fizer.
    Sei o quanto difícil é se aprofundar e discutir sobre estas questões, existe muito conteúdo introjetado já em todos nós, entretanto, acredito que se no mundo não existisse religião e somente um pouco mais de amor, as coisas iriam se desenvolver de uma maneira mais limpa e satisfatória.
    Em todo caso, faz bem entrar em contato com as nossas fronteiras de valor ou de familiaridade, é o que falta em muita gente. Precisamos aprender a mastigar melhor o que colocamos na boca antes de engolir e verificar se realmente devemos engolir ou não.

    ResponderExcluir
  7. Douglas, não é verdade que cada um simplesmente tem a sua interpretação. Se você escrever uma carta para um amigo, vai querer que ele entenda o que você quis dizer e será claro ao escrever. Por que Deus não poderia ser claro? Se você quer saber se tem como confiar na Bíblia estude nomes como Gary Habermas, William Lane Craig e Josh McDowell que investigam a preservação da mensagem bíblica, ok? Existem critérios históricos para determinar a confiabilidade de um documento. Não saia por aí simplesmente dizendo que cada um tem a sua interpretação. Você não tem simplesmente uma interpretação sobre os efeitos de se jogar do 12º andar de um prédio. Você sabe que isto vai matá-lo. Assim como existem as leis da natureza, existem leis morais! Deus não é um estraga-prazeres. Ele é amor e nos revela as suas leis morais para que nós não venhamos a sofrer pela transgressão.

    Fica na Paz de Cristo!
    Topázio.

    ResponderExcluir
  8. Parabens. Chega de visoes etnocentricas. Todos somos iguais perante a lei. Chega de preconceitos.

    ResponderExcluir
  9. Olá! A paz!
    Bem sou crista e a pratica homossexual é sim para nós pecado. Da mesma forma somos chamados da amar e acolher a todos em sua liberdade. Amando o ser humano e não o pecado. É claro que não devemos obrigar ninguém a viver da forma que queremos, nenhum psicólogo deve fazer isso. O verdadeiro Cristão tem seus valores e não deve negá-los e pode perfeitamente fazer isso respeitando a liberdade de escolha. O psicólogo tem direito de não atender um paciente se assim desejar, se não se sentir preparado para isso, e acredito que isso deve ser feito da melhor forma possível com um encaminhamento sendo feito. Dizer que se é pecado ou não, não importa, é negar sua fé. É possível ser cristão e psicólogo, assim como praticar outras religiões. Nós ajudamos como Deus nos dá a Graça através da Psicologia e, intercedemos pelos que atendemos. Sim, é delicado, mas não impossível.
    Deus Abençoe

    ResponderExcluir
  10. Cuidado com o que a psicologia pode fazer com sua mente. Esse é um excelente curso, porém ore por sua mente. Abraço

    ResponderExcluir
  11. Realmente não existe pecadinho nem pecadão,e, independente do pecado, devemos tratar as pessoas com amor, sim, porém sem santidade ninguém verá a Deus, e devemos colocar o cristianismo em primeiro lugar, acima da psicologia, nós psicólogos. Para vc tem sido mais importante a sua profissão ou a preocupação com as almas e para onde elas vão? A Psico ajuda o ser humano aqui na terra, nessa vida, agora o cristianismo, além de ajuda-lo nessa vida, o leva para a eternidade. Cuidado moço

    ResponderExcluir
  12. Julgar, também é pecado. Tantas outras coisas que pessoas hipocritas, que vão a igreja nao para louvar a Deus , mas para saber da vida alheia.
    Deveriam se preocupar em ajudar pessoas doentes em hospitais, gente com fome, cuidar de criancas carentes que é isso que Jesus faria ao contrário de falar dos seus irmãos homossexuais( tão pecadores como eu e você).
    Duvido que vocês cumpram tudo o que diz a bíblia até porque ela é bastante contraditória.
    Parem de dizer que ser gay é errado eu não sou e acho muito normal, cada um tem que ser feliz com as suas escolhas desde que não prejudique os outros.

    Jesus prega o amor, Deus não é apenas um pai que castiga devemos cuidar das pessoas e das coisas que ele nos deu não julgar. Mas eu perdoo vocês por não conseguirem parar de julgar nossos irmãos, mas peçam o perdão deles e o de Deus.
    Fiquem em paz

    ResponderExcluir
  13. No texto e nos comentários fica claro que a religião atrapalha o estudo e compreensão do comportamento humano.
    Alguém é capaz de negar isso?
    Penso que as religiões são necessárias mas deveriam evoluir com o conhecimento e não serem amarradas a uma bíblia e histórias contraditórias contadas pelo homem como provenientes do divino.
    Fica explícito na história da humanidade que o conhecimento nos leva a tolerância, quanto mais estudamos e compreendemos o ser humano mais tolerantes nos tornamos.
    Sou ateu, não quero o fim das religiões, tanto que considero necessária para muitos, mas ficaria muito feliz em ver o fim da intolerância religiosa.
    Mas como? A tolerância na religião não traria o seu fim? O quê realmente é religião?
    Desculpem-me, mas psicologia e religião não combinam. Ser psicólogo e cristão é totalmente incoerente, não foi eu quem disse, foi o texto acima.
    Você só será um verdadeiro psicólogo o dia que estiver livre de crenças religiosas.
    Rodrigo Tólio.

    ResponderExcluir
  14. melhores palavras sobre este assunto acredito que seja do padre paulo ricardo:
    https://padrepauloricardo.org/episodios/homossexualismo-e-a-ideologia-gay
    amamos homossexuais e conhecemos muito bem gay e papel deles na politica.

    ResponderExcluir
  15. Em nome de Deus os que odeiam assassinam e assassinaram milhões como se Deus estivesse preocupado com as genitálias. Como ser cristão é muito difícil os hipócritas deixam de se converter todos os dias, para serem fiscais do cu alheio. Isso é facílimo. Sou santo não pela minha fé e obras, mas pelo cinturão castidade que obrigo os outros a usar.

    ResponderExcluir