sexta-feira, 6 de julho de 2012

SÉRIE SETE PECADOS: IRA

Por Rosemeire Zago


PESSOA IRADAS TÊM ÓDIO DE SI

Este é o segundo artigo da série Os Sete Pecados Capitais: gula, cobiça, luxúria, avareza, preguiça, ira e inveja. Nesse segundo artigo abordarei a ira.

Segundo o dicionário Aurélio, ira é cólera, raiva, indignação, desejo de vingança. É preciso distinguir entre a ira ou cólera; e raiva ou ódio. O ódio e a raiva, de certa forma, são a ira reprimida. São emoções totalmente destrutivas tanto para os que as sentem como para quem se torna objeto delas. A ira é um impulso momentâneo, que provoca também os maus pensamentos, fazendo com que muitas vezes façamos acusações injustas, provocando muitas brigas e conflitos nas relações.

Pessoas que se comportam de maneira feroz, animal, destrutiva, agressivas, demonstram imaturidade. Se a ira causa um desejo descontrolado de vingança, está diretamente associada a desonra, brigas, indignação, a agressividade exagerada, a qual desencadeia hostilidade e destruição. É um estado de descontrole, que chega a modificar o semblante, a expressão facial.

O homem conseguiu controlar sua agressividade através da razão, ou seja, utiliza a racionalização como um mecanismo de defesa, mas quando tomado por uma forte emoção nem sempre esses mecanismos atuam. A agressividade gerada pela ira demonstra a incapacidade de racionalizar quando se deixa dominar pela emoção, sobrepondo muitas vezes, conteúdos inconscientes, como por exemplo, pode indicar uma incapacidade exagerada de amar aos outros, muitas vezes como resultado do amor que não recebeu na infância ou da agressividade que recebeu, repetindo assim o mesmo padrão. Nesses casos é preciso identificar a emoção que foi mobilizada e que não permitiu a atuação do mecanismo de defesa.


A IRA NO TRABALHO

No campo profissional a ira é o maior exemplo de sentimentos expostos, por exemplo, pelos líderes sem equilíbrio emocional ou autoconhecimento. Basicamente a atitude mental que está por trás da ira é o desejo de destruir. É aquele líder que apela para técnicas pouco eficazes como mexer com o lado emocional. É do tipo que, quando você vai pedir seu aumento salarial, ele diz que você é um ingrato e que você não imagina como foi difícil convencer a diretoria a lhe dar o último aumento. Ou quando ele não concorda com algo que você fez, ameaça o seu emprego, às vezes com frases sutis como: "O mercado de trabalho está difícil, não?". Ou ainda, quando você debate empolgado com ele sobre sua brilhante carreira, ele diz algo como, "Você tem ainda muito que aprender..." Ou seja, sempre te colocando para baixo, desvalorizando, com autoritarismo, desrespeito, provocando com o tempo e com as somas destes comentários, muita ira.

Por baixo de toda ira quase sempre detectamos o medo de errar, de expressar-se de outra maneira, de perder espaço, etc. Ao invés de terem consciência da origem de tais sentimentos, preferem atacar para defender-se de seus próprios fantasmas. O resultado disso é fazer com que a equipe não discuta os problemas com o líder, pois sabe que ele irá utilizar algum artifício emocional, desencadeando assim aspectos emocionais e conflitos.


COMO LIDAR COM A IRA

O que fazer quando somos tomados pela emoção e perdemos o controle? Com certeza não é sair xingando ou berrando com o primeiro que aparecer pela sua frente, isso só vai piorar as coisas e trazer mais confusão.

O mais indicado é extravasar sim, porém de maneira adequada, seja surrando uma almofada ou um colchão, fechando os vidros do carro ou se trancando em seu quarto e gritar. Pode também escrever tudo que estiver sentindo e depois poderá guardar e ler após um mês.

Outra técnica é a visualização: imagine a pessoa que provocou tal sentimento em você e fale tudo que estiver sentindo. Qualquer coisa que libere seus sentimentos, ainda que só em seus pensamentos, te trará um grande alívio, pois para o inconsciente não há diferença entre o pensamento e a realidade. É possível assim, descarregar toda energia reprimida causada pela ira ou raiva de modo a não ofender ou machucar alguém.

Depois, mais calmo, é possível analisar a situação e refletir o que tocou tão profundamente dentro de você, o que tocou em sua emoção. Isso não quer dizer que seja saudável nos sentirmos irados a todo momento, considerando tudo como ofensa pessoal, mas havendo o sentimento, também não é benéfico reprimir sua manifestação, desde que seja feita como sugerida acima.

Mas o que dizer daquelas pessoas que estão sempre extravasando sua ira e continuam constantemente iradas?

Geralmente, são pessoas que não se confrontam com a fonte original do sentimento e saem agredindo a todos, quando na verdade, ainda que inconscientemente, estejam agredindo a si próprias.

Através do autoconhecimento é possível perceber que comportamentos desse tipo são manifestações de ódio por si mesmo. Por mais que possam te fazer, não permita que alguém tenha controle sobre seus sentimentos e consiga te deixar irado. Como em todos os outros pecados o amor por si mesmo ainda é o melhor remédio.


2 comentários:

  1. Primeiramente agradeço a divulgação do meu blog, fiquei bem feliz! E por fim parabenizo-os pelo blog, muito útil para nós estudantes. Leio sempre e vezes reproduzo algumas reportagens. "A cópia é o maior elogio." Parabéns!!!
    Liliane Lemos (Tentativa e erro...)

    ResponderExcluir
  2. Não, é exatamente o contrário, eu é que garimpo aqui... E quanto a divulgação me refiro no link blogs que recomendam... Um abraço!

    ResponderExcluir