terça-feira, 5 de junho de 2012

TODO PSICÓLOGO É LOUCO?

Por Lili Cunha



"De médico e louco todo mundo tem um pouco”. Essa frase é bastante conhecida,direcionou-se também aos psicólogos,originou-se entre os psiquiatras.

A Freud atribui-se a afirmativa de que "de perto ninguém é normal". Mas daí inventarem que todo psicólogo é meio doido, já é demais!

Ficar falando isso de forma descuidada e pejorativa é, no mínimo, tolice. Muitas vezes um sujeito chamado de "louco" é bem mais lúcido do que um pseudo equilibrado,que se intitula "normal". Normal?Que palavrinha mais questionável, e seu conceito é bem arbitrário (Eu nunca quis ser normal). 

As pessoas formadas em psicologia percorrem por um caminho que envolve submeter-se aos processos psicoterapêuticos, ver e estudar a doença mental de perto. Aprendem a enxergar que por trás das melhores aparências podem morar historias muito tristes,sabem que todos nos maquiamos a realidade e que sonhos são como verdadeiros "mapas da mina".

Sabemos que nada em nossa vida passa despercebido,que nada é tão simples e que não esquecemos absolutamente nada,nos guardamos em alguma gavetinha do nosso inconsciente,com uma plaquinha do lado se fora indicando que tipo de sentimento refere-se àquele material guardado. 

O ser que estudou psicologia com afinco e mergulhou em suas profundezas de alguma forma,tem a certeza de que "entre o céu e a terra há mais misterioso que a nossa vã filosofia", como disse o grande gênio Shakespeare. 

Portanto, por esse saber e entender,esse individuo psicólogo pode ver a vida de forma um pouco diferente. Louco? Não, nem um pouco! Ele só tem uma relação mais intima com que é interno, observa o contexto por uma ótica cientifica, mais requintada, treinada, como se usasse uma lupa imaginaria. 

E quando esse psicólogo deflagra algo que alguém não quer ser ou não concorda, então, esse alguém se rebela, pois não queria ter consciência daquilo que diz "nada a ver", "você ta viajando". Esperam que ele seja serio, concentrado, sorria contidamente, fale com clareza, não tenha duvidas sobre nada, muito menos problemas pessoais.

Será que existe alguém assim? Costuma exigir um super equilíbrio dos psicólogos, eles não podem ter falhas? Isso significa falhar em seus consultórios? Um medico não pode ter problemas de saúde, um economista passar por uma crise financeira, um advogado sofrer um processo? Psicólogos podem sim ter duvidas e problemas, mas o que vai diferenciá-los das outras pessoas pode ser a forma de resolver, entender, solucionar e manejar esses problemas. Ser psicólogo pode e facilitar, mas ele continuara sendo humano, cercado de outros humanos que constroem a vida com ele.




10 comentários:

  1. Meu pai nasceu em 1920, tem 92 anos e é muito lúcido.
    Ele tem a opinião do título deste texto e me repetiu várias vezes:
    1. É normal que um médico vá se especializar em pulmão depois de ter perdido um ente querido com problemas neste órgão... Que um pediatra vai ter sempre problemas de sexualidade (sic)... Que um ginecologista é sempre um rejeitado pelas mulheres...
    Que alguém que nasceu em família de advogados vai querer ser advogado... E que um psicologo está sempre querendo estudar a própria loucura, por isto escolheu o curso.
    2. "Como e porque vou pagar para alguém mais novo do que eu, imagine um recém formado, para me aconselhar?"
    Bom, é lógico que eu preciso de terapia, não é? Mas escrevo isso tudo para pedir e ver se conto com a sorte de alguém me explicar: Por que é que um psicologo não necessariamente precisa ter idade/experiência para ser um bom profissional? Este argumento me falta e não saberia explicar de forma conveniente.
    Obrigado, bom dia a todos que lerem.

    ResponderExcluir
  2. Na minha cabeça limitada, criei uma "metáfora" que é minha melhor explicação, no momento:
    Canso de ver adestradores de cães do mais baixo nível social possível (longe de qualquer discriminação, estou apenas comentando o que me parece). E penso assim: Se não é necessário ser um ser iluminado para educar (e bem) um cachorro, talvez a psicologia também lide com instintos e emoções que são de certa forma previsíveis e que seguem um determinado padrão.
    Assim como não preciso ser chefe de cozinha para apreciar pratos feitos, não preciso (não é fundamental) de idade e experiência para lidar com problemas da natureza humana.
    Está certo? É estupidez comparar coisas tão distintas como adestramento e psicologia?

    ResponderExcluir
  3. Acredito que idade não é um título de sabedoria para ninguém. Até os idiótas envelhecem. E muito conhecimento, sem reflexão e fundamento nas próprias experiênciaa, sejam elas vividas ou observadas, também não serve para nada além de pedestal entre pseudo-intelectuais.
    O diferencial do psicólogo é esse, não só aconselhar de acordo com as suas próprias experiências, aconselhar metodologicamente. Com base em um conhecimento que vem se constituindo como ciência a mais de uma centena de anos, isso sem contar com suas raízes filosóficas. Dessa forma o psicólogo pode, sim, tratar de pessoas de qualquer idade, desde que tenha ser preparado para tal.

    ResponderExcluir
  4. Uma graduação em Psicologia se faz ao longo de 5 anos, dos quais 2, são de disciplinas não específicas a qualquer "especialização" (tal como é em toda carreira), mas que ofertam uma base científica, epistemológica, filosófica e metodológica para exercê-la. Embora alguns colegas não concordem, há sim, um método para a terapia. Um psicólogo, além da prática no estágio, se forma na leitura, reflexão, discussão e aplicação de obras específicas de eficiência comprovada em set terapêuticos e/ou laboratórios (dependendo da linha terapêutica escolhida). Relacionar idade/experiência do terapeuta a sua competência na clínica, é o mesmo que questionar um sacerdote poder aconselhar um paroquiano sobre casamento, filhos e vida sexual já que suas experiências nessas áreas são restritas e exíguas. Ou, ainda, questionar um jovem médico recém-saído da faculdade, poder atender e medicar seu paciente competentemente. A "loucura" do psicólogo é manter seu julgamento suspenso, ainda que isso lhe exija tremenda concentração, para analisar e tratar seu paciente da forma mais justa e imparcial possível. Vemos nos indivíduos, por intuição (não a intuição do senso comum) e por treinamento, causas profundas e não-conscientes que outros profissionais não estão aptos a ver, mesmo com anos de experiência em suas carreiras.

    ResponderExcluir
  5. "então, esse alguém se rebela, pois não queria ter consciência daquilo que diz "nada a ver", "você ta viajando".
    Não sou da área, mas acredito que foi isso que aconteceu com um familiar meu. E agora ele está com um transtorno de insegurança e ciúme causando-nos muitos problemas e tristeza, mas se recusa terminantemente a procurar ajuda. Já me ofereci a fazer terapia junto, mas ele diz que vai superar sozinho. Isso é possível? Conseguimos nos resolver completamente?

    ResponderExcluir
  6. ao anonimo acima ...

    é possível sim, mas pra isso é necessário que alguem o confirme como ser humano, concorde com os argumentos dele e realmente entra na situação dele (isso não significa uma aceitação da forma que ele está) essa confirmação tem que ser verdadeira, acreditar no que ele diz verdadeiramente... nunca saberemos como é a tristeza do outro ou a angustia do outro, porque somos todos diferentes. Não julgue-o pela situação em que ele está e nem limite a significação do sentimento dele... quem faz isso perfeitamente bem é sim o psicologo porque nós somos indivíduos únicos formados pelos outros (pais, creche, escola, trabalho) e isso nos distancia de nós mesmos, porque em cada local temos padrões a seguir, modos de vestir (ser como a sociedade quer). O psicologo é preparado pra ir junto à dor do outro e ajudá-lo a sair de lá. Porque acreditamos nele (pessoa/humano) o organismo tem equilíbrio, ele tenta de alguma forma estar em equilíbrio, quando algo não vai bem, o corpo responde a isso com doenças, seja psicológicas, psicossomáticas, ou ate mesmo imunidade baixa doenças normais sem cura, dores musculares, enfim o corpo da sinal de alguma forma e tem que ser tomado providencias antes que ele perca o controle de si. O que não é bom.

    Aqui respondeu uma estudante de psicologia de 20 anos de idade (para o Quinsano)

    ResponderExcluir
  7. Acontece de mais realmente a situação em que pessoas, querem estudar psicologias pra se tratar, pra tratar da família ou algum parente, contudo, não suportam, largam o curso, trancam etc. é um curso muito afrontador, em que enquanto os professores falam vai passando filmes na sua mente de atitudes que já presenciou ou vivenciou. É conflitante demais da conta, é uma situação de começar o 1º semestre com 50 ou 40 alunos e estar no 4º semestre com 15 ou 12. A pessoa não suporta. Sobram os quem realmente querem ou que tenham realmente o dom, ou por persistência. Os que persistem cursam outra area depois, os que tem o dom é geralmente os que ganham pouco e trabalham muito fazem ongs e o escambau.. e os que querem crescem e encarecem (focam em algo e investem) e vale apena repetir ENCARECEM PREÇO DE CONSULTA, justo é porque lutaram pra chegar mas quem vai nos tops? difícil né... e ficam os exaustos do psicologos por dom, que quer ajudar todos e não ajuda a si mesmo.

    ResponderExcluir
  8. Uma pessoa mais nova ou mais velha, será uma pessoa diferente que mostrará um "olhar" diferente sobre a questão que você externar. Sendo assim, você poderia se questionar o motivo pelo qual essa pessoa enxergaria tal fato, que até então passou despercebido. A ideia não é se aconselhar com um psicólogo, mas com a companhia dele poder alcançar o conforto para suas angústias. Lembre-se, uma companhia que ande o mesmo caminho que você e na mesma velocidade que você, ao seu lado. Quando pensamos em ir para algum local desconhecido, precisamos de um guia turístico para nos auxiliar, ele andará ao nosso lado, conversará conosco, mas não percorrerá o caminho por si só, neste momento, não importará se ele é mais novo ou mais velho, o que importa é se ele dará a importância ao que você estará "experienciando".

    ResponderExcluir
  9. Acredito que 100% do olhar que se tem sob a Psicologia é feito de preconceitos, seja de "loucos" a achar que são pessoas incapazes por serem jovens e inexperiente. Faculdade não forma bons profissionais, ela forma Psicólogo, o restante é com a pessoa. Eu aprendi sobre a Psicologia mais fora da faculdade, com meus estudos particulares, do que dentro dela. É complicado lidar com a fragilidade do outro sem balançar a nossa, mas isso faz parte em qualquer profissão na vida, apenas na Psicologia o baque é muito maior. Mas são estas experiências que formam os bons Psicólogos. Sempre penso, que é melhor lidar com Psicólogos-pessoas, do que com Psicólogos-Entidades-Divinas, porque acabamos nos sentindo muito pequenos diante deles e achando que não merecemos aquela pessoa como nosso "guru".

    ResponderExcluir