segunda-feira, 14 de maio de 2012

BONECAS REAIS

Por Samanta Obadia


"Mas o tempo passa e a gente cresce, recebendo da vida sérias atribulações e impossibilidades físicas, que nos impedem de transitar livremente de acordo com os nossos desejos"



Hoje eu senti muita falta do tempo em que brincávamos de casinha.

Como era simples arrumar os móveis e trocar as bonequinhas de lugar. Planejávamos nossas vidas de maneira ordenada e de acordo com as nossas vontades.

O faz-de-conta facilitava tudo. Era só desejar e pronto. Estavam em nossas mãos, as bonecas e as casinhas nos lugares adequados.

Às vezes, a vida de quem nós amamos, leva a esta vontade de resolver tudo bem rapidinho, de juntar as casinhas para ficar bem pertinho e ajudar a outra pessoa o tempo todo.

Entre crianças é assim. 

Juntávamos as casinhas, que de repente mudavam de tamanho, colocávamos os Falcons para fora quando incomodavam, e pronto. Os bebês eram colocados para dormir nos bercinhos quando queríamos, enquanto nossas Barbies e Susis conversavam lindas em suas cadeirinhas, diante da televisão. Como era confortável a ingenuidade infantil de nossas vidas inseridas em simples brincadeiras. No fim, dormíamos cansadas enquanto nossas bonequinhas aguardavam quietinhas para vivenciar novas historinhas no dia seguinte.

Mas o tempo passa e a gente cresce, recebendo da vida sérias atribulações e impossibilidades físicas, que nos impedem de transitar livremente de acordo com os nossos desejos.

Não nos é permitido resolver as coisas com a praticidade das crianças, onde as brincadeiras são a realidade.

Hoje eu queria poder brincar de casinha, juntando as bonequinhas e seus apetrechos, para que elas pudessem ficar grudadinhas e dormir seguras de que no dia seguinte tudo estaria no mesmo lugar.

_______________________________________

1 Falcon é um boneco masculino da década de1970, do tamanho da Barbie.

Um comentário:

  1. Confesso que entrei aqui para ler algo a respeito dessa nova "onda" de adolescentes japonesas e europeias de se "embonecarem". O texto é bom, mas a imagem e o título me passaram uma outra ideia.

    ResponderExcluir