sábado, 24 de março de 2012

VOCÊ ACHA QUE É BONITO SER FEIO?

Por André L. Souza


Em 2011, a Universidade do Texas ficou no Top 20 no ranking das universidades americanas com as estudantes mais bonitas dos Estados Unidos. Um amigo meu logo me enviou um email dizendo: “ganhou na loto aí, hein negão!“. Infelizmente não! Quando o assunto é beleza, namoro e escolha de parceiros, o buraco cognitivo é mais fundo, e a coisa é bem mais complicada!

A beleza física é, sem sombra de dúvidas, um fator importantíssimo na escolha dos parceiros. É por isso que ninguém fala: “quero namorar aquele menino só por que ele é feio“. O que acontece é que, mesmo quando não percebemos, dando um peso grande à beleza física na hora de escolher com quem vamos namorar, ficar ou fazer sexo. Não é a toa que as pessoas bonitas são mais populares, namoram mais — ou pelo menos têm mais parceiros — e são mais escolhidas pelas outras pessoas. E se você parar e observar à sua volta, vai notar que pessoas bonitas geralmente namoram pessoas bonitas. Existe um tanto de explicação de porque isso acontece (a Psicologia Evolucionista adora explicar essas coisas), mas não vou falar disso hoje não. Quero falar um pouco sobre o que acontece com o outro lado: com os feios que acabam ficando com outros feios.

Em meados de 1957, um psicólogo nova-iorquino chamado Leon Festinger apresentou à comunidade científica o que ele chamou de Teoria da Dissonância Cognitiva. O que isso tem a ver com gente feia? Calma, eu explico! De acordo com Festinger, toda vez que engajamos em um comportamento que contradiz aquilo que cognitivamente deveríamos fazer, nosso sistema cognitivo vai “entrar em parafuso” e buscar compensar essa discrepância de alguma forma. Exemplo: imagine o André — um cara aí que escreve para um blog aí. O sistema cognitivo dele diz: André, você deve escolher uma menina bonita. Mas como as meninas bonitas já estão todas com os caras bonitos, o André acaba escolhendo uma menina mais-ou-menos (feia, mesmo). Eis uma discrepância: o sistema cognitivo diz menina bonita e o comportamento do André faz diferente. Uma coisa que o sistema cognitivo pode fazer para consertar essa dissonância é “se enganar” e começar a achar que a menina mais-ou-menos é na verdade bem bonita. Vários estudos em Psicologia mostraram esse efeito (um exemplo aqui). Mas será que isso acontece também com relação aos parceiros que escolhemos? Em outras palavras, será que as pessoas feias tendem a achar seus parceiros feios mais bonitos do que o que as outras pessoas acham?

Leonard Lee da Columbia University liderou um grupo de pesquisadores de várias outras instituições e fez um estudo bem bacana no site de relacionamentos HOTorNOT.com. Nesse site, as pessoas entram e votam (em uma escala de 1 a 10) o quão bonito(a)/gostoso(a) a foto de alguém é. E eles também podem enviar/receber solicitações de encontros. No total, eles investigaram 16.550 participantes (um oásis de dados). O primeiro resultado confirma aquilo que a gente já sabia: as pessoas mais bonitas tendem a escolher as pessoas mais bonitas. No entanto, as pessoas mais bonitas tendem a aceitar menos as solicitações de encontro que recebem. Em contrapartida, as pessoas tendem a escolher pessoas feias e aceitam mais solicitações de encontros.

Quanto à pergunta principal — se as pessoas feias veêm seus parceiros feios como mais bonitos — a resposta foi não. A percepção da beleza das pessoas feias pelas pessoas feias foi a mesma que a perceção da beleza das pessoas feias pelas pessoas bonitas. O que esse resultado sugere é que, nesse campo, as pessoas parecem não bucar compensar a dissonância cognitiva atribuída ao fato de terem escolhido uma pessoa feia como parceiro. E obviamente outros fatores devem estar contribuindo para o equilíbrio dessa dissonância cognitiva. No final das contas, não é nada bonito ser feio! :-)


Referência:

Lee L, Loewenstein G, Ariely D, Hong J, & Young J (2008). If I’m not hot, are you hot or not? Physical attractiveness evaluations and dating preferences as a function of one’s own attractiveness. Psychological science, 19 (7), 669-77 PMID: 18727782


Fonte: COGNANDO

4 comentários:

  1. Olá, identifiquei-me bastante com o texto.
    Sofri negligência e posterior abandono da minha mãe quando eu era pequeno. Meu irmão mais velho tinha o "direito" de fazer bullying comigo. Enfim, cresci medroso e sem auto-confiança alguma.
    Fui envelhecendo e percebendo que iria morrer "virgem" se quisesse arrumar uma namorada que fosse socialmente aceita, pelos meus amigos e pai. Uma namorada bonita que todos elogiassem é um sonho antigo, mas nunca aconteceu...
    Um belo dia tomei coragem de chegar perto de uma menina feia, que estava sempre sozinha, magrinha e pobre. Pois bem, já estou com ela há sete anos, apesar de conselhos mil para que eu à largasse.
    E eu sempre com uma frase do Nelson Rodrigues na cabeça: "Fiel até que apareça algo melhor.". Nunca apareceu (mais por minha culpa mesmo, que fico acéfalo sempre que alguém interessante aparecesse)!

    Mas nesses sete anos eu aprendi sobre intimidade e vida a dois, sobre sexo/amizade/respeito.

    Enfim, mais vale dormir sossegado com o que tenho do que ficar invejando os outros.

    Já sei, já sei, preciso de fazer terapia! Mas meu pai tem 92 anos e acha que psicologo é jogar dinheiro fora e não há argumento no mundo que o faça mudar de opinião. Um dia, quem sabe... Por enquanto eu tento ler tudo sobre psicologia que vou encontrando aqui na net.

    Obrigado por este texto e por outros, um abraço a todos do site, Luciano.

    ResponderExcluir
  2. Luciano, parabéns por desmerecer a mulher que dorme com vc...

    ResponderExcluir
  3. Achei super interessante, mas ainda sim acho mais fácil um homem feio(Feio, não horripilante)se relacionar com uma mulher bonita.
    Tenho um grupo de 5 amigas. Somos bonitas e estilos diferentes das outras e até fisicamente, loira, morena, ruiva, magrinha, mulherão...
    Uma delas lembra até uma modelo famosa e diversas vezes em festas as pessoas falam isso e é nessa amiga que quero focar. Ela é linda e curiosamente só namora gente feio. E não tem nada a ver com GRANA gente. Ela gosta mesmo.Uma vez ela tentou namorar um cara que é modelo também, mas não deu conta. As outras colegas que não conhece ela tão bem, chamava ela de louca por ter deixado "AQUELE" homem escapar.
    No nosso grupinho valorizamos mais os homens que podemos conversar coisas inteligentes e geralmente os homens que são bastante bonitos não tem esse dialogo e nem fazem questão de mostrar outras coisas além da beleza.
    O homem que mais amei na vida é bastante feio. Eu mesmo, no inicio, já não queria nada com ele por isso, mas conversamos por horas e eu passei a não ver ele como feio. Eu sei que ele é feio por conta da primeira impressão que tive, mas se me perguntarem hoje sobre isso eu não acho ele feio como achava. Eu tinha um trabalho enorme com ele, pois a mulherada sempre estava de olho.

    Não suporto aqueles homens que a mídia vende tipo galã metrossexual...

    André nos EUA tem uma valorização maior desses esteriótipos de beleza...Mas a vida é bem mais que beleza física.

    Fonte: MINHA VIDA.


    Luiza.

    ResponderExcluir
  4. Luciano,

    Não sei como alguém passa 7 anos da sua vida com outra pessoa por pena de si mesmo... Terapia URGENTE! Com certeza sua parceira merece alguém melhor.

    ResponderExcluir