sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

SÍNDROME DO PÂNICO


Por Tereza Aquino


Nos últimos tempos, um grande número de pessoas vêm sendo afetadas por esse terrível mal. Trata-se de uma situação limite, sempre relatada de forma extremamente dramática pelas pessoas que vivenciaram ou que ainda vivenciam tal situação.

Essas pessoas se percebem inteiramente tomadas por sensações assustadoras descritas de maneira muito semelhante: aflição no peito, taquicardia, sudorese, contrações musculares, medo de perder o controle, sensação de morte iminente. São manifestações físicas e psíquicas que reunidas formam o quadro sintomatológico da Síndrome do Pânico conforme reconhecido pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Tal instituição, ao se encarregar da publicação dos diferentes manuais de psiquiatria, especifica os critérios de diagnóstico e, por conseguinte, circunscreve os diversos distúrbios, formalizando assim as doenças. A partir desse referencial a Síndrome do Pânico se distingue dos demais tipos de ansiedade pelo que é considerado a sua principal característica: crises de pânico súbitas sem fatores desencadeantes aparentes.

Em geral, segundo relato das pessoas acometidas pela Síndrome do Pânico, instala-se o que vem sendo chamado de "medo do medo", isto é, o medo de que a crise retorne. Devido a um processo de associação, a partir da primeira crise, qualquer estímulo interno (uma dor, tonteira, alterações nos batimentos cardíacos, etc) ou externo (um lugar, um cheiro, túnel, ônibus, metrô, etc) pode remeter à situação das crises anteriores e funcionarem como o elemento-índice, desencadeador de uma nova crise. Nesse sentido, fazendo parte de um procedimento defensivo para evitar que novas crises ocorram, vão se produzindo diferentes tipos de fobia.

E assim vai se circunscrevendo um quadro cuja principal característica é um medo revestido de irracionalidade já que o medo é impalpável, invisível, ilógico.

Consequentemente, de uma maneira gradativa, a vida cotidiana das pessoas acometidas dessa síndrome, vai se tornando restrita. De tal forma as limitações vão se impondo que o resultado é uma dramática incapacidade de dirigir a própria vida. As mais simples tarefas, já tão familiares, tornam-se barreiras intransponíveis. As dificuldades vão surgindo de forma interrelacionada e aumentando progressivamente. Muitas pessoas perdem o emprego enquanto lutam contra esse mal. Subitamente se percebem inundadas por um sentimento de total impotência e incompetência, cujos motivos, até então invisíveis, começam a ser percebidos no meio social a partir dos gradativos fracassos que se infiltram, pouco a pouco, perpassando todos os setores da vida. As restrições vão se impondo sucessivamente a tal ponto que o indivíduo pode mesmo vir a se encontrar enclausurado em sua própria casa (agorafobia), inteiramente dependente de terceiros. Infelizmente um grande número de pessoas com a Síndrome do Pânico, devido à falta de informação e de acesso a tratamento adequado, buscam alívio no álcool e nas drogas.

A cura não se dá de forma espontânea, o que significa que a sintomatologia não desaparece a menos que a pessoa receba tratamento específico, especializado, para que seja eficaz.

Atualmente, o tipo de tratamento para a Síndrome do Pânico que vem obtendo bons resultados tem se baseado nas recentes contribuições de estudos e pesquisas inspiradas numa visão integrada do ser humano ¾ psico-soma. Isso significa, em termos de tratamento, associar psicoterapia e medicamentos. Enquanto a psicoterapia auxilia a compreensão dos motivos do pânico e estimula as mudanças de atitudes necessárias para eliminá-lo, os medicamentos, em casos onde o quadro sintomatológico é mais intenso, garantem à pessoa o equilíbrio necessário para poder se beneficiar da psicoterapia.

O processo psicoterapêutico, em geral, leva alguns meses. Quando bem conduzido, num primeiro momento, evita as crises ou pelo menos reduz substancialmente a intensidade e a frequência delas, trazendo alívio significativo. Na medida em que vão ocorrendo as sessões psicoterapêuticas o paciente vai aprendendo mais sobre os seus sintomas, sobre si mesmo, e, sobretudo, aprendendo a agir em conformidade com essas descobertas ou novas percepções. Por conseguinte, ao familiarizar-se com suas potencialidades o paciente se tornará o próprio agente da mudança de seu estado ao invés de envergonhar-se dele.

Com efeito, esse é o passo mais difícil porém decisivo na medida em que funcionará como o elemento detonador do processo de cura. Tal atitude, que será obtida no próprio processo psicoterapêutico, fornecerá os meios necessários para que a pessoa acometida da Síndrome do Pânico se perceba capacitada para alcançar com sucesso a eliminação de tal mal. Trata-se de uma atitude imprescindível para a conquista da cura, e que pode ser traduzida por: reapropriação do respeito por si próprio.



5 comentários:

  1. Tive todos esses sintomas, principalmente a síndrome de morte iminente. Mas, como diz o texto, eu fui o próprio agente de mudanças em mim. É ótimo termos acesso a esse tipo de texto, pois quem não conhece o transtorno passa a refletir sobre ele. Quem já teve, faz uma análise mais profunda e passa a entender que não é algo inventado pelo doente, como muitos pensam, que ele de fato acontece. Mas há cura!

    ResponderExcluir
  2. Passei por isso sim,a mudança dependeu de mim,resolvida estive de q não passaria mais por essa situação e não passei.Mas sei q não posso generalizar,cada pessoa é uma,eu consegui pois busquei auxílio terapeutico e a causa ficou muito clara para mim.

    ResponderExcluir
  3. Ainda estou sofrendo muito com isso, e muitas vezes corri para o hospital, apavorada e no meio do caminho já apresentava melhoras, fazia exames eletro e nada aparecia....Não tomo medicamentos para absolutamente nada. Mas esses sensações acabam comigo, me deixam desesperadas...até na hora de dormir, a impressão que tenho é que estou morrendo e não adormecendo.

    ResponderExcluir
  4. Pânico vem de Pan, Deus das transloucuras e segunda a Mitologia Esse foi abandonado por sua Mãe, que fugiu assustada, por se deparar com um ente tão feio e este ficou a mercê do destino, trabalhando como pastor de ovelhas, e seu passatempo favorito era assustar as pessoas, que transitavam pela floresta, e conta que todos tinham o maior medo de encontrar com esta figura abominável e assustadora!
    A Síndrome do Pânico tem abarrotado as Clínicas Terapêuticas, e diversas causas são atribuídas a esse síndrome, desde uma grande desordem nos Neurotransmissores, uso de drogas, emanação da Sombra, Stress, dentre outras!
    Temos obtido em nossa "práxis" terapêutica, notáveis resultados, associando à Psicoterapia, Acupuntura+Terapia floral!
    Qualquer sintoma, deve se providenciar medidas socorristas, porque Pan não brinca em serviço não! Luzes!

    ResponderExcluir
  5. tenho muito respeito aos portadores da sindrome de pânico, passei por uma fase terrivel com esse mal. Temos que ser forte ter um acompanhamento de um bom profissional, fazer tratamento complementar, massagem, reiki e florais. Com certeza ficará libertado e encontrará sua paz.
    Força e Coragem é tudo que você deve buscar durante o tratamento.
    Bjos Eliane

    ResponderExcluir