sábado, 14 de janeiro de 2012

COMO PENSA UM PSICOPATA?


Cercada de mitos, a psicopatia é, no senso comum, geralmente associada àquele indivíduo que, incompreensivelmente (pelos menos para mim), mata por prazer, ou seja, àquele cujo sofrimento alheio lhe dá uma satisfação e uma alegria no mínimo misteriosas. Ao contrário do que se pensa, esta doença do foro mental nem sempre está associada à violência e pode ser tratada. O facto é que, devido ao cada vez maior número de notícias que chegam a nossas casas de indivíduos que, inexplicavelmente, são capazes de autênticos massacres a seres humanos, o termo “psicopata” é cada vez mais usado na sociedade. Um dos mistérios que mais me intriga (e certamente a alguns de vocês) é o que levará um psicopata a cometer actos tão horrendos… O que se passará na mente de um psicopata? Será que um psicopata tem uma mente igual à mente de um indivíduo dito normal? Então e se o cérebro for biologicamente idêntico, seremos nós (indivíduos “normais”) capazes de nos comportarmos como um psicopata? Efectivamente, poucos transtornos a nível mental são tão incompreendidos como a personalidade psicopática.

Hervey M. Cleckley, psiquiatra americano, definiu pela primeira vez a psicopatia como “um conjunto de comportamentos e traços de personalidade específicos”.

Os psicopatas são pessoas (se é que podemos chamar-lhes assim) que, à partida são inofensivas e vistas como indivíduos “normais” por quem os conhecem superficialmente. São pessoas que, à primeira vista, causam boa impressão, revelando-se, no entanto, desonestas e anormalmente egocêntricas. Com uma sensação de omnipotência, os indivíduos com traços psicopáticos consideram que tudo lhes é permitido, agindo somente por benefício próprio sem olhar aos meios para alcançar os seus fins. O psicopata não sente culpa. Apesar de muitas vezes ter a plena consciência da perversidade dos seus crimes ou das suas intenções criminais, um psicopata raramente aprende com os seus erros, não conseguindo refrear os seus impulsos, carecendo por isso de superego.

Com uma auto-estima muito elevada, considera-se um ser superior regido pelas suas próprias regras. Como tal, torna-se incapaz de compreender que haja pessoas com opiniões diferentes das suas, praticando actos criminosos sem sentir qualquer tipo de culpa. Demonstrando uma frieza fora do normal, “o psicopata está livre das alucinações e dos delírios que constituem os sintomas mais espectaculares da esquizofrenia”. “A sua aparente normalidade, a sua ‘máscara de sanidade’, torna-o mais difícil de ser reconhecido e, logicamente, mais perigoso.” Exprimindo-se com elegância, as suas histórias, apesar de falsas, conseguem cativar e convencer, deixando-o numa boa situação perante as pessoas. Isto porque o discurso de um psicopata é geralmente servido de uma linguagem florida e figurativa, desempenhando esta um papel importante no seu comportamento enganoso e manipulador. Altamente seguro de tudo o que diz, o seu principal objectivo passa a ser manipular e controlar os outros. “Mentir, enganar e manipular são assim talentos naturais de um psicopata.”

“Um dos traços dos psicopatas é adotarem geralmente comportamentos irresponsáveis sem razão aparente, excepto pelo facto de se divertirem com o sofrimento alheio. Além disso, desculpam-se dos seus descuidos culpando outras pessoas. Nos relacionamentos amorosos são insensíveis e detestam compromisso.”

Para diagnosticar a psicopatia, os especialistas servem-se de um teste desenvolvido pelo psicólogo Robert D. Hare, o PCL-R (Psychopathy checklist-revised). “Este método inclui uma entrevista padronizada com os pacientes e o levantamento do seu histórico pessoal, inclusive dos antecedentes criminais. O PCL-R revela três grandes grupos de características que geralmente aparecem sobrepostas, mas podem ser analisadas separadamente: deficiências de carácter (como sentimento de superioridade e megalomania[1]), ausência de culpa ou empatia e comportamentos impulsivos ou criminosos (incluindo promiscuidade sexual e prática de furtos).”

Estudos garantem que a maioria dos psicopatas é homem, sendo o motivo para este desequilíbrio entre os sexos ainda desconhecido. A frequência na população é aparentemente a mesma, quer no Ocidente quer no Oriente. Um dos mitos associados à psicopatia é o facto de julgarmos que os psicopatas são violentos, quando, apesar de alguns estudos indicarem que, de facto, essas pessoas recorrem à violência física e sexual, outros demonstram que a maioria dos psicopatas não é violenta e que grande parte das pessoas violentas não é psicopata.

Durante a minha pesquisa descobri também a tendência de associarem todos os indivíduos psicopatas ao facto de sofrerem de psicose[2]. “Ao contrário dos casos de pessoas com transtornos psicóticos, em que é frequente a perda de contacto com a realidade, os psicopatas são quase sempre muito racionais. Eles sabem muito bem que as suas acções, imprudentes ou ilegais, são condenáveis pela sociedade, desconsiderando, porém, tal facto com uma indiferença assustadora. Além disso, os psicóticos raramente são psicopatas.”

Ao contrário do que se julga, a psicopatia tem cura: hoje em dia é sabido que a maioria dos psicopatas são recuperáveis podendo vir a ser bons cidadãos da sociedade. Embora os psicopatas raramente se sintam motivados para procurar tratamento, uma pesquisa feita pela psicóloga Jennifer Skeem sugere que essas pessoas podem usar a psicoterapia como tratamento. “Mesmo que seja muito difícil mudar comportamentos psicopatas, a terapia pode ajudar a pessoa a respeitar regras sociais e prevenir actos criminosos.”

“A característica do psicopata é não demonstrar remorso algum, nem vergonha, quando elabora uma situação que ao resto dos mortais causaria espanto. Quando é demonstrado o seu embuste, não se embaraça; simplesmente muda a sua história ou distorce os fatos para que se encaixem de novo.”

“O ser humano está cada vez mais isolado, mais sozinho, apesar de poder se comunicar quase instantaneamente com qualquer parte do mundo. Caso aprenda a viver sem necessitar dos outros, aprenderá a não se preocupar com os outros, um traço básico na personalidade psicopática.”



[1] Megalomania é um transtorno psicológico em que o doente tem ilusões de grandeza, poder e superioridade. Também se caracteriza pela obsessão em realizar feitos e actos grandiosos.
[2] Psicose é um termo psiquiátrico genérico que se refere a um estado mental no qual existe uma "perda de contacto com a realidade". Ao experienciar um episódio psicótico, um indivíduo pode ter alucinações ou delírios, assim como mudanças de personalidade e pensamento desorganizado.


Fontes:  http://www.psicologiavirtual.com.br/psicologia/principal/conteudo.asp?id=4017
               http://erickmagnus.multiply.com/journal/item/290/O_Psicopata
               http://www2.uol.com.br/vivermente/artigos/o_que_e_um_psicopata__imprimir.html

22 comentários:

  1. do jeito q está escrito parece que todas as pessoas são psicopatas, exceto os budistas e outras fadinhas dos desenhos animados....

    meu filho, capitalismo é isso aí!

    ResponderExcluir
  2. De jeito nenhum SUPERMINGAU, isso não tem nada a ver com capitalismo, isso é pura realidade, pessoas psicopatas existem sim e estão por ai soltas na sociedade passando desapercebido aos nossos olhos, nos colocando em perigo e raramente temos a sensibilidade de perceber isso. Alem de conhecer estudos e teorias sobre a psicopatia, tive o desprazer de conviver com um psicopata, e acredite ele tinha TODOS os sintomas descritos a cima e mais um pouco. Deu oq fazer pra eu acordar e me distanciar desse perigo... Hj quero distancia! Mais fiquem atentos, quanto menos perceberem pode ter um psicopata manipulando vcs, colocando-os para baixo, e exaltando a si próprio só pelo prazer de vermos sofrer. Acordem, pois o negocio realmente é serio!!! indico um livro pra quem tiver curiosidade sobre o assunto: Mentes perigosas da autora Ana Beatriz Barbosa Silva. vale a pena ler e conhecer mais do assunto para assim ficarmos em alerta!

    ResponderExcluir
  3. Tenho dúvidas e ressalvas de que psicopatas tem tratamento. Seria interessante colocarem apontamentos (tratamentos que deram certo) para termos um noção exata do que foi dito.
    E uma pessoa que não tem sentimentos genuínos, empatia e tem consciência de que seus atos são maldosos ou cruéis pode ter tratamento? Até onde sei os psicopatas tem uma alteração neurofisiológica no sistema límbico.

    ResponderExcluir
  4. concordo com anônimo (1)

    ResponderExcluir
  5. Só nao concordo com a parte de que eles possam ser recuperados.... acho q quem nasce assim, morre assim. talvez na infancia isso pode ser moldado, mas nao recuperado.

    ResponderExcluir
  6. só não concordo com a parte do texto que diz "Os psicopatas são pessoas (se é que podemos chamar-lhes assim". Acho que como seres humanos, todos temos direitos iguais, se não fosse assim teríamos que fazer novas denominações para os diversos tipos de "pessoas".

    ResponderExcluir
  7. Tambem nao gostei da suposicao de nao serem pessoas... acho duvidoso o tratamento e vira como diz o texto... sem superego.. angustia..

    ResponderExcluir
  8. Gostei muito do texto, muito proveitoso :)

    ResponderExcluir
  9. Lamentável um texto tão desorganizado, deturpando termos científicos com linguagem de senso comum recheada de achismos.
    Dentre muitas inverdades, cito algumas: megalomania não é transtorno, e sim apenas uma alteração de pensamento.
    Quando forem citar superego, estudem psicanálise e Freud. Da mesma forma quando usarem o termo perversão.
    Em se tratando de psicopatia, ou sociopatia, procurem levar em conta os vários estudos sobre isso, inclusive estudos de neurocientistas. De preferência com estudos científicos bem embasados, pois de informações levianas e senso comum a Internet está cheia.

    ResponderExcluir
  10. O termo está utilizado de forma incorreta, eu acredito. Você não estava querendo falar de sociopatas? Ou de personalidade anti-social? (psico pathos, ou psicopata, é aquele que tem uma disfunção de ordem psíquica. Ou seja, todo sociopata é um psicopata, mas nem todo psicopata é um sociopata). E eles são pessoas sim, que não se encaixam no padrão social e que podem causar desconfortos, mas são pessoas.

    ResponderExcluir
  11. Concordo com "Psicologia para todos" e com Cristiano Zarichta

    ResponderExcluir
  12. Acho pouco ético não considerar psicopatas como pessoas. são seres humanos com problemas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que não, eles não são seres humanos com problemas. As vítimas deles é que são seres humanos com problemas. Psicopatas são pessoas que não sentem remorso ou culpa por qualquer coisa que fizerem, são ausentes de empatia, são capazes de qualquer coisa. Por serem desprovidos de sentimentos como amor, compaixão, culpa ou remorso, eles nunca sofrem emocionalmente, e se não há sofrimento, não há problemas para eles. Nada que disserem contra eles será anti-ético, pois eles não vão se magoar.

      Excluir
  13. Gostei da matéria, mas não gostei dos comentários.... Que pessoas mal educadas..... e polêmicas! Acho que ler, filtrar e tirar suas próprias conclusões sem ofender o escritor, é sempre mais indicado. Detesto pessoas que distribuem grosserias. A pessoa que escreveu, o fez por alguma razão. Limitem-se a ler e concluir o que acharem indicado, sem ofender o escritor!!!! É isso!!!!

    ResponderExcluir
  14. Acredito que a Psicopatia não tem cura, pode ser que alguns indivíduos sejam confundidos com psicopatas, quando não são realmente. Não vi matérias cientificas falando sobre tratamento. Inclusive já pode diagnosticar a Psicopatia na barriga da mãe.

    ResponderExcluir
  15. Vejamos..Embora sejam citadas algumas características de um psicopata não vejo, até o atual momento, a existência de uma regra a se classificar ou q, possamos aplicar ao diagnostico de um psicopata...não é nada simples identificar o mesmo. Corre, sim o risco de cometer equívocos...afinal todos nós apresentamos uma ou outra característica q irá fugir de um padrão social e nem por isso somos psicopatas...

    ResponderExcluir
  16. Uma coisa é certa, a ignorância a respeito deste assunto poderá levar um doente para traz das grades...o q de fato o tornará ainda pior. Por tanto, é de extrema relevância um diagnóstico preciso e tratamento adequado para q, não apenas uma, mas várias vidas sejam preservadas.

    ResponderExcluir
  17. Quando falamos de transtorno de personalidade, nos referimos a controle e não cura ,vc pode controlar a personalidade Anti social ou outros transtornos mas não se cura

    ResponderExcluir
  18. Pelo que tenho estudo, discordo completamente. Perguntaram a um psicopata americano preso _ Se o soltarmos, acho que tem condições de viver em sociedade? ,
    Ele respondeu: Não!! Eu PRECISO da pena capital. Não consigo parar de matar.
    Quem fala que isto tem cura. Pode namorar Hannibal Leather!! Eu tenho TBP, só eu sei como é hiper difícil me controlar.

    ResponderExcluir
  19. acredito eu q o autor, q não sei quem, pois não esta identificado, quis na realidade informar e trazer um tema q esta se tornando muito recorrente na mídia de forma muito equivocada. A intenção é boa e ajuda, pois de fato pesquisa atuais, basta fazer uma busca na internet e vcs comprovaram, q um entre cada vinte e cinco pessoa é psicopata e q na prisão o índice é mais elevando ainda. Então não custa nada pelo menos a pessoa tentar se defender desse tipo de pessoa, q pode sim ser muito perigosa e até assassina, mas mesmo não sendo assassina ela ainda pode causar muito sofrimento gratuito às pessoas.

    ResponderExcluir
  20. Psicopatia tem cura?

    vai nessa!! totalmente errado psicopatia não tem cura a pessoa nasce psicopata e já era!
    oq pode atenuar é a educação a que o psicopata recebe.
    se ele for humilhado,traumatizado,espancado e abusado na infância poderá se tornar um Serial Killer, mas se tiver uma infância com uma boa educação principalmente se os pais percebem as caracteristicas desce cedo é capaz de atenuar esse comportamento.
    mais nunca nunca a cura! o psicopata nasce psicopata e morrerá psicopata.

    ResponderExcluir