terça-feira, 17 de janeiro de 2012

CFP REPUDIA AÇÃO NA CRACOLÂNDIA

Mais uma vez a questão do crack estampa os jornais. Nos últimos dias, uma grande operação policial tem sido realizada na chamada "Cracolândia" em São Paulo. No entanto, aparentemente a ação parece ter uma tática higienista, literalmente "varrendo" os dependentes químicos da região e dispersando-os para "limpar" o quadro. O que acontece com esses usuários? Continuam largados à própria sorte, sofrendo sozinhos com crises de abstinência. O Conselho Federal de Psicologia emitiu a seguinte nota sobre o assunto, que decidi compartilhar:


"O Conselho Federal de Psicologia questiona objetivos e métodos adotados na chamada Ação Integrada Centro Legal, em curso desde o dia 3 de janeiro de 2012 na cracolândia, em São Paulo. O CFP entende que a estratégia, da forma como vem sendo executada, baseada na ostensiva ação policial, não só não resolve o problema, como provoca a violação dos direitos humanos dessas pessoas já fragilizadas. 
    O CFP defende uma política sobre drogas baseada no fortalecimento da rede pública de saúde, com a ampliação de consultórios de rua e dos Centros de Atenção Psicossociais, que realizam atendimento de forma intersetorial, envolvendo psiquiatras, enfermeiros, psicólogos e assistentes sociais e outros profissionais da saúde.
    Por isso, orienta que psicólogas e psicólogos denunciem qualquer violação aos direitos humanos em ações de combate ao crack e espera que a ação baseada na “dor e sofrimento” não se repita em outros Estados.
O Conselho Regional de Psicologia de São Paulo acompanha a situação. Na quarta-feira, 11 de janeiro, o CRP-SP participou da reunião realizada na Câmara dos Vereadores de São Paulo, e ao lado de outras entidades da sociedade civil, repudiou a ação militar."



0 comentários:

Postar um comentário