segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

A ENFERMEIRA QUE MATOU UM CÃOZINHO:


QUESTÕES SOBRE UMA HISTERIA COLETIVA
Por David Vieira



Está rolando uma corrente de divulgar o endereço e o telefone da tal enfermeira que matou um cachorro, em nome de uma tal justiça. Ao ver a corrente (que não repasso!) me assustei, nossa a histeria coletiva tá chegando nesse nível?

Então fui questionado por uma pessoa (que respeito, diga-se de passagem) que cada um se indigna com o que lhe afeta, seja o assassinato cruel de animais seja a greve dos professores do estado do Ceará ou de Rondônia.

Entretanto, creio que a situação da tal enfermeira se configura de forma muito diferente, passando, sim, os limites do "movimento por um mundo melhor" e se transformando em uma grande histeria coletiva. Vou explicar;

Primeiro problema é que a questão tá muito personalizada. De repente ela virou um monstro, um psicopata. Não um fruto social. Fora que a galera fica com ódio dessa mulher quando tem muita gente que morre todo dia e passa no "barra pesada". Ou os políticos que aprovam leis que devastam grandes áreas que deveriam ser preservadas e que milhões de animais morrerão por tal?

Segundo, legal a galera querer que alguém pague por algo que consideram crime. Mas, porra! Divulgar o telefone e o endereço dela? Pra quê?

O que está sendo chamado de justo está, na verdade, ultrapassando e muito a tênue linha da justiça e se tornando vendetta, vingança e a destruição de um bode expiatório. Como se acabar com a raça dessa "Filha da Puta" fosse fazer do mundo o lugar melhor. Como se acabar com a raça da "desgraçada" não fosse também assassinato.

E ninguém para pra pensar. Todos segundo suas emoções e seus piores instintos ao invés de usar a racionalidade. Divulgar telefone pra ela receber milhões de chamadas a chamando de puta e mandando-aela morrer é justiça? Divulgar o endereço para que ela sofra ameaças, para que ela sofra ameaças e até atentados? Não só ela, mas sua família também. Isso é Justiça?

A galera que é a favor da vida de todos os seres, independentes de serem humanos ou não, estão transformando uma pessoa no bode expiatório de todos os crimes contra a natureza e ameaçando-a de morte em nome de uma vendetta travestida de justiça?

Esse movimento não é nem um pouco racional e nem um pouco justo. É uma histeria coletiva, sim! Os limites do que podem ser chamados de justiça estão sendo passados, virando perseguição, linchamento, genocídios.

E é bom pensar até que ponto estes movimentos estão realmente querendo "construir um mundo melhor" ou reproduzindo uma caça as bruxas em pleno século XXI.

0 comentários:

Postar um comentário